A MINHA CONCORDÂNCIA COM PAULO RAIMUNDO

Tenho de concordar com Paulo Raimundo, o PCP não vai mudar e quem quiser aproximar-se tem de esquecer os motivos que os levaram a sair. Reconhecerão implicitamente que estavam errados e reaproximar-se-ão, coitados deles que se deixaram levar pelos gabirus que queriam outra coisa que não era o PCP.

 Um dos grandes problemas do PCP não está nos que saíram; está sobretudo nos motivos que os levaram a sair e que se mantêm intactos e que se são considerados por esta direção os traços essenciais definidores da natureza do partido.

O artigo 1º nº2 estatui o seguinte… O PCP é a vanguarda da classe operária e de todos os trabalhadores. O papel de vanguarda do Partido decorre da sua natureza de classe, do acerto das suas análises e da sua orientação política…

 Ora nos tempos que correm, tendo em conta o aumento dos assalariados provenientes de classes sociais designadamente pequenos agricultores e pequenos empresários, de profissões liberais; as modificações operadas dentro das classes trabalhadoras com a criação de novas camadas sociais, a natureza dos trabalhos ligados diretamente à produção fabril; a desindustrialização; a financeirização da economia; o alastramento dos serviços em detrimento da agricultura e da indústria, forçoso será concluir que a classe operária, no sentido histórico, deixou de ter todo o peso que tinha. Hoje já não tem a homogeneidade de há algumas décadas e muito menos do início do século XX. Rosa Luxemburgo, em 1916, em plena primeira grande guerra, defendia que se a classe operária se mobilizasse imporia à burguesia o fim da guerra.

 O artigo 2ºestabelece… O PCP tem como base teórica o marxismo-leninismo: concepção materialista e dialéctica do mundo, instrumento científico de análise da realidade e guia para a acção que constantemente se enriquece e se renova dando resposta aos novos fenómenos, situações, processos e tendências de desenvolvimento. Em ligação com a prática e com o incessante progresso dos conhecimentos, esta concepção do mundo é necessariamente criadora e, por isso, contrária à dogmatização…

É preciso resolver uma questão acerca desta “fidelidade” , a saber, foi com base no marxismo-leninismo, o tal instrumento científico de análise da realidade e com a conceção do mundo necessariamente criadora, que os partidos comunistas dos países socialistas implodiram. Daqui decorre que tendo todos eles guiado a sua política por este instrumento o resultado foi um enorme desastre. Não foi científico, nem criador.

O artigo 16 nº1 declara 1… A estrutura orgânica e o funcionamento do Partido assentam em princípios que, no desenvolvimento criativo do centralismo democrático, respondendo a novas situações e enriquecidos com a experiência, visam assegurar simultaneamente, como características básicas, uma profunda democracia interna, uma única orientação geral e uma única direcção central…

Foi com base nesse tal centralismo democrático e criativo que foram aplicadas diversas sanções a vários membros do partido por expressarem opiniões diferentes das da direção.

Enquanto uma dúzia de dirigentes tiver o poder de selecionar listas fechadas de dirigentes a todos os níveis do partido a base da seleção serão os que esse núcleo escolhe e que o partido aceita porque não tem outra alternativa para os que querem continuar a militar.

Acrescente-se que o centralismo permitiu a Álvaro Cunhal dar uma entrevista ao jornal espanhol “El mundo” contra a direção da altura, afirmando que nela havia elementos liquidacionistas, portanto não respeitando a regra do centralismo. Criativo foi Cunhal que mandou o centralismo pela janela fora.

Com base nestas orientações o grau de atração do partido é  reduzido e será cada vez mais. Estes artigos dos Estatutos são uma forma de blindar o partido a qualquer mudança e de manter a sua estrutura intocada como foi confirmado por Paulo Raimundo, na entrevista ao último Expresso, com todo o prejuízo para o resgate e reconfiguração do ideal comunista.

https://www.publico.pt/2022/12/20/opiniao/opiniao/concordancia-paulo-raimundo-2032035

Advertisement

Um pensamento sobre “A MINHA CONCORDÂNCIA COM PAULO RAIMUNDO

  1. Luciano Caetano da Rosa

    O “centralismo democrático” é o inimigo interno da profunda democracia que diz querer promover. Com ele, os partidos comunistas tendem todos a definhar e a perder militantes entre os mais dedicados, mais abnegados e, em muitos casos, os mais capazes. É pena que assim seja. O marxismo continua a ter uma imensa força de atracção. Já o leninismo-estalinismo é coisa da primeira metade do século XX. A ideologia m-l é um abuso estalinista dogmaticamente manipulador das massas e dos indivíduos. O CC assemelha-se a um conclave da igreja católlica, sem Capela Sistina nem Espírito Santo. O camarada Paulo Raimundo terá colhido um grande aplauso ao declarar aos putativos e não putativos inimigos do Partido que podem “esperar sentados” se pensarem que o Partido vai deixar de ser o que é? Pois então, é pena que assim se auto-vanglorie e assegure a sua fidelidade a um fixismo ruinoso para classes sociais, desempregados e precariado, vítimas do neo-liberalismo. P. Raimundo pode achar-se engraçado com a expressão usada, mas os trabalhadores, as pessoas progressistas em geral, tanto podem esperar sentados, como deitados ou de pé que o neo-liberalismo nem por isso se deixará comover. A legitimidade de Paulo Raimundo assenta num certo apartheid obreirista. Até pode ser muito culto e inteligente, não deixa, porém, de lhe faltar legitimidade por falta de escrutínio democrático dentro do PCP.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s