Teses do XXI Congresso do PCP – petrificação doutrinária

Um organismo que não se renova petrifica, o que é um mal, quase sempre, incurável. A incapacidade para se renovar pode decorrer da própria natureza do organismo ou de quem o dirige. A renovação implica ter a noção da importância da manutenção da força para atuar de modo consequente no presente e no próprio futuro.

A perpetuação de um grupo dirigente no poder é mais do que meio caminho andado para o anquilosamento, na medida em que estabelece um conjunto de princípios visando, no essencial, assegurar a continuidade no comando, e afastar ativistas que não são fiéis.

Quando se proclamam certos princípios intemporais, sem demonstração da atualidade, dogmatiza-se a teoria. Se em finais de 2020 se age como se o mundo fosse o de novembro de 1917 ou chegou a cegueira ou se pretende afastar quem se empenha em atualizar o pensamento e a ação no mundo dos nossos dias. A identidade não é estática, está em constante atualização. O Livro das Mutações foi escrito na China há mais de quatro mil anos e Camões há mais de quinhentos já falava que todo o tempo é composto de mudanças.

O programa do PCP defende que a soberania reside no povo e, por outro lado, nas Teses para o XXI Congresso defende como condição essencial…”a existência de uma força revolucionária de vanguarda capaz de, em cada país, dirigir a luta pela conquista do poder pelos trabalhadores…”. O que quer isto dizer? Uma ladainha para afastar quadros que nunca engoliriam esta mixórdia e assim manter na direção do partido um conjunto de quadros contentes com o poder que ainda têm, mesmo que diminua a olhos vistos ou é para ser lido tal como implica a semântica? Neste caso cabe perguntar tendo em conta os resultados eleitorais nada abonatórios com que trabalhadores vai o PCP assegurar a conquista do poder?  

Já nem o PCUS, nos seus últimos anos de vida, defendia ser vanguarda estatutariamente, o que Álvaro Cunhal acolheu, pois que a existência de uma vanguarda não pode ser conferida constitucionalmente, mas antes na sua capacidade de influenciar e dirigir.

Ora o PCUS com os seus vinte milhões de membros, fora a Juventude do Komssomol (50 milhões), não foi capaz de mobilizar metade de um por cento dessa militância para fazer frente a Boris Yeltsin que com alguns milhares de manifestantes se apropriou do poder. Grande partido de quadros de vanguarda sentados nas suas cadeiras de mando.

A defesa “teórica” de um modelo em que uma direção se perpetua visa afastar do partido mulheres e homens que mobilizados para a luta pelo ideal socialista não aceitam aqueles supostos dogmas jazentes no caixote do lixo da História.

 Os dirigentes da URSS viraram donos das fábricas, salvo raras exceções. Virou o disco, mas os regentes da orquestra são quase todos os mesmos.

Na análise que o PCP faz do mundo na entrada das Teses revela uma obstinada petrificação destinada a manter os fiéis unidos em torno de um mundo imaginário que é o mundo dos que pensam e agem como a direção do PCP, que aliás são cada vez menos.

Por isso, os constantes alertas e denúncias em relação aos que dizendo-se comunistas não passam de reformistas e liquidacionistas por se afastarem dos princípios definidos pelo PCP, o guardião do cofre dos princípios vazios de vida. O que parece contar é o verbalismo, a recitação de grandes tiradas desfasadas da realidade, incapazes de fazer o partido avançar. Que bem os retratou Vladimir Illich Ulianov (na obra acerca da doença infantil do comunismo) que não foi um santo, mas o chefe dos bolchevistas que liderou a revolução russa há 103 anos. Se lhe seguissem o exemplo no que concerne ao estudo das ideias de Marx e dos seus seguidores posteriores, mas ficaram-se pelos camaradas Suslov e Ponomariov que proclamaram a URSS eterna e a metros do comunismo. Como se viu. A petrificação é uma doença incurável, nada a fazer.

https://www.publico.pt/2020/11/11/politica/opiniao/teses-xxi-congresso-pcp-petrificacao-doutrinaria-1938804

2 pensamentos sobre “Teses do XXI Congresso do PCP – petrificação doutrinária

  1. Rui Mendes

    Um texto que podia ser interessante mas que se ficou pela cassete dos anos 90 quando a confusão era muita e as ‘renovações’ e ‘inovações’ brotavam de onde menos se esperaria.. De lá para cá certamente houve muita coisa para aprender incluindo quanto pagaram aqueles que ‘deitaram fora o bebé coma água do banho’.
    Como até acredito que este não seja apenas mais um texto de ressabiamento gostaria de perceber afinal qual é discordância de Domingos Lopes. É apenas contra ”a existência de uma força revolucionária de vanguarda capaz de, em cada país, dirigir a luta pela conquista do poder pelos trabalhadores…” ? E invoca Lenin para negar a necessidade de um partido de vanguarda ? É que além de muitas acusações gerais não refere mais nada de concreto. Não é estranho?
    E não é tempo de todos quantos se consideram da área do socialismo acabarem com o recurso aos truques simplistas (a diabolização da União Soviética, o fantasma dos velhinhos do PC, o anátema da dogmatização/conservadorismo, etc) para combaterem o PCP ? Hoje, enfraquecer o PCP é um objetivo assumível por alguma esquerda ou por alguém que se queira situar nesse território? Volta-se com outras roupagens aos velhos esquemas anticomunistas (tipo FAP ou qualquer dos seus derivados)?
    A consideração que me merece o Domingos Lopes leva-me a ainda ter esperança numa reanálise dos erros que muitos (eu também) assumimos nos últimos 30 anos. Provavelmente o PCP (Álvaro Cunhal) tinha muito mais razão do que nós.

    Gostar

    1. Olá Rui. Obrigado pelo comentário.
      Tenho um percurso de vida fiel ao que perfilho há de mais cinquenta anos . Ele fala por mim. Nesse percurso estive cerca de quarenta anos no PCP. Dei o que sabia e o que podia. Não me arrependo do que fiz. Não tenho espaço na minha vida para ressabiamento, apenas para defender o que penso, certo ou errado,Saí por discordar. Discordamos da análise que cada um faz sobre a queda do socialismo no Leste. As lições da queda devem ser tidas em conta e não escamoteadas. Aquele modelo não teve os trabalhadores a defendê-lo e caiu. Os milhões de filiados não mexeram um dedo para o defender. O “modelo” morreu e não vai ressuscitar.
      A luta pelo socialismo vai continuar tendo em conta o mundo como ele é hoje, os erros passados e certamente o que de bom foi feito.
      Por falar em enfraquecer o PCP o responsável por esse enfraquecimento é quem o dirige. Não fica bem atirar para os outros as responsabilidades próprias. Parece uma desculpa que um revolucionário deve rejeitar. Quanto ao anticomunismo que indiretamente me atribui nem vale a pena responder. Está explicado no texto publicado e que comentou. Agradeço a esperança que ainda deposita que eu reanalise os erros cometidos. Sem dúvida, daí o texto acerca dos erros e não só; também dos métodos ínvios para uma direção se perpetuar. Saudações comunistas.

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s