De Hamurabi a Trump vão 3.790 anos

Em 1772 a.C., o rei babilónio Hamurabi, do alto do seu poder, mandou publicar o primeiro Código que ficou para sempre com o seu nome. Por toda a Babilónia, em escrita cuneiforme, acádio, se expôs para uma ínfima minoria que sabia ler o Código.

De visita ao Museu de Pergamo, em Berlim, na famosa Avenida Unter den Linden, lá está a olhar para nós a pedra negra contendo o Código. E não é sem emoção que se olha para aquela pedra e se imagina o longo percurso do inveterado caminhante que é o homem desde então até hoje.

Os habitantes do reino da Babilónia passaram a ter algo escrito, mesmo os que não tinham olhos que lessem. Poderia haver quem lesse por eles.

Nesse Código, os princípios dominantes eram os da chamada lei de Talião, olho por olho, dente por dente. Quem, em matéria criminal, cometesse um certo crime, ser-lhe-ia aplicada sanção idêntica à do crime praticado. Se um criminoso cegava um cidadão, a pena era ser cego. Se assassinava, era morto.

Apesar da barbaridade de tais princípios, o simples facto de se apresentarem as normas compiladas era um avanço, pois dava aos mais fracos a possibilidade de invocarem a lei. A nesga de esperança era maior num quadro de brutal arbítrio dos mais fortes.

Mais bárbaro (tendo em conta os 3790 anos passados) que a natureza daquele Código é o modo como alguns dirigentes mundiais encaram o mundo e as relações internacionais.

A guerra do Iraque levada a cabo por George W. Bush constitui a exata aplicação da lei de Talião com a agravante de se basear numa mentira espalhada no mundo. Quase quatro mil anos depois de Hamurabi, é de novo a sua filosofia a dominar na maior potência mundial.

Como a Carta das Nações Unidas proíbe a guerra, Bush procurou o velho Código de Hamurabi. Subverter as leis de que os próprios EUA foram legisladores com o seu apoio para voltarmos à lei do mais forte.

Quando, recentemente, Trump, o dono da Casa Branca, decidiu, alegadamente em retaliação por atentados do Daesh, lançar no martirizado Afeganistão a mãe de todas as bombas, voltámos ao mais elementar princípio de Talião, em pleno século XXI. E no anúncio de tal façanha constava a capacidade de Trump voltar à carga com poder mais destrutivo…

Com Trump a lei de Talião vai muito para além de olho por olho, dente por dente. A lei, anunciada com toda a pompa, que permitiu o enjaulamento de crianças trazidas pelos seus pais, atinge menores que nada têm a ver com a ação dos progenitores, os autores do ilícito. Para tanto, alguns dignitários da Administração Trump invocaram a Bíblia para justificar semelhante proeza. É a suprema crueldade enjaular crianças por causa de atitudes dos progenitores e invocar o nome de Deus em vão. Nem Hamurabi.

Só o clamor mundial que assomou proporções gigantescas fez recuar o negociante que tomou conta da Casa Branca e quer aprisionar o mundo para os seus amigos proclamarem America first…

De Hamurabi a Trump vão três mil setecentos e noventa anos. O que a Humanidade passou para chegarmos à Carta das Nações Unidas e aos direitos dos seres humanos… Quantas guerras, quantos sofrimentos e quantas alegrias… Afinal, na curva da estrada estava Trump a lembrar que o passado está sempre presente.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s