Aos Amigos Benfiquistas (3ª Parte) Alea Jacta Est

Os mais velhos lembrar-se-ão de uma frase que correu o país quando a Universidade de Coimbra estava ocupada pela polícia na sequência dos acontecimentos de abril de 1969.

A universidade vivia em pleno estado de sítio com greve às aulas e mais tarde aos exames. Nessa ocasião, o então Ministro da Educação, Hermano Saraiva, proclamava que reinava a calma e a tranquilidade em Coimbra.

O pouco que se passava, segundo o Ministro, resultava da ação de provocadores infiltrados devido à ingenuidade da juventude universitária.

Tempos de dor e de desgraça e simultaneamente de uma esperança que despontou também em abril, cinco anos mais tarde.

Sob o manto de repressão serenava a calma e a tranquilidade.

Nessa altura distanciando-se dos empedernidos do regime, professores de todas as faculdades condenaram a repressão, criando na própria Academia um clima que anunciava o futuro em que mestres e estudantes usufruíam a mesma liberdade.

A instituição era manchada por certas condutas dos seus dirigentes, mas outros elementos do corpo docente desfraldaram a bandeira da honradez.

Quando no dia 08/03/2018, Fernando Tavares, Vice-Presidente da S.L.Benfica, por ocasião da apresentação da equipa feminina de futebol, afirmou a propósito da detenção de Paulo Gonçalves e da E.toupeira que …” O Benfica vive um estado de normalidade e tranquilidade”… assinala de maneira notável o que é para ele, alto dirigente do SLB, um estado de normalidade e tranquilidade.

A existência de indícios relevantes da infiltração de quadros de SLB na estrutura do CITIUS para espiar a justiça é um ato próprio de um estado de normalidade e tranquilidade.

Dizem que Paulo Gonçalves era ou é o braço direito de Luís Filipe Vieira, que é arguido na operação Lex que envolve Rangel.

A PJ esteve, pelo menos, duas vezes a fazer buscas no Estádio do Benfica.

E, apesar disso, segundo Fernando Tavares o Benfica vive um!!! estado de normalidade e tranquilidade! Talvez. Se nos habituarem a todos esta normalidade e tranquilidade, vários anos após a passagem do glorioso presidente Vale e Azevedo.

Falando como falou, Fernando Tavares, disse à nação benfiquista, o que ele entende por normalidade e tranquilidade.

Falta agora a nação benfiquista aceitar ou achar que naquela instituição não é normal tantos indícios de práticas criminosas. Alea jacta est.

Anúncios

One thought on “Aos Amigos Benfiquistas (3ª Parte) Alea Jacta Est

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s