A Morrinha dos Pobres

A manhã acordara com morrinha persistente. O céu acinzentado ia derramando pingos finos de água sem se cansar. Era uma chuva tão branda que enganava os que não faziam caso dela e acabavam tão molhados por fora como por dentro.

As próprias árvores silenciosas como de costume arrepiavam a copa e os braços e a sua estaticidade deixava o mundo vivo mais melancólico.

Os homens que se levantam cedo, quase todos já a fugir dos sessenta anos, conversavam na taberna do Zé Russo.

Quem entrava na taberna olhava e dava conta que nos olhos de cada um havia uma sombra feita de fios miúdos de água e a chuva molhava não se sabe que parte da alma; todos estavam muito quietos e sem chama que se visse.

Os velhos com as duas mãos agarradas ao cajado aguardavam as últimas notícias da ida do Amendoeira ao padre para que este aceitasse a nova casa mortuária.

Ficar na igreja à espera do enterro custava cento e oitenta euros; na nova casa doada pela cooperativa ficava por oitenta.

Já não havia muita gente à espera da senhora da foice; e não se dava notícia de que havia qualquer batizo à espera. Em breve a aldeia ficaria sem ninguém. Ficaria a placa? Que pode suceder a uma terra que deixa de ter a gente que a fez?

Os velhos nem todos têm para o café. Os que têm bebem-no. O dono dá um rebuçado São Brás a quem o bebe à espera que peça um bagacinho.

Para ali estão. Os seus estão longe. Lisboa. Lausanne. Dusseldorf. Londres. Onde haja emprego.

Aqui pagam para os bancos. Eles e os outros. Têm os dias que vierem. Não passam bem. Vivem como podem. O que os trama é a saúde, os medicamentos …

Dizem os governantes e os que habitam na televisão que por causa deles estamos mal. Os velhos querem o que o sistema não lhes pode dar, afirmam todos à uma.

Ganham por esse serviço muitas mais vezes que aqueles que viveram acima das suas possibilidades e que ali em Ferreira na verdade nunca deu para sair da terra.

Estes e outros velhos são encargos pesados para as voltas que o mundo está a dar. Os que agora são mais novos terão a sua vez de serem velhos. E dependendo do que descontaram na edificação do país de todos, se não mudarem as voltas ao mundo vão também eles ficar à espera de morrerem de opróbrio – o de serem pobres.

Este é o mundo em que vivemos: os que têm muito e quererem muito mais levaram o mundo à beira do desastre, mas querem que o desastre seja pago também por velhos sem quase nada.

Tiraram-lhe parte da reforma, feriados, a possibilidade de irem à farmácia, como iam. E amaldiçoaram-nos por não compreenderem que se empobrecerem ficam melhores. Salvando os ricos.

A aldeia esvazia-se de gente. Quando nascerá uma criança? Nascerá? Por que andam tão contentes Cavaco, Passos e Portas?

Esta morrinha que vai na alma dos velhos sob a forma de resignação dá-lhes esse contentamento. Estarão Cavaco, Passos e Portas seguros ou cegos?

Um pensamento sobre “A Morrinha dos Pobres

  1. Rui Romão

    Esta é uma descrição real do de um pais , assentando num de tantos exemplos de aldeias como esta.
    Uma forma mais além de ver o futura de uma aldeia, vila, cidade, e país deste país.
    Continue.
    Alguém tem de ter coragem.
    Rui Romão.

    Gostar

Deixe uma Resposta para Rui Romão Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s