E Se Portugal Tivesse Um Ministro dos Negócios Estrangeiros

Pois é, se Portugal tivesse um Ministro dos Negócios Estrangeiros teria uma política externa para se relacionar com a Europa, os PALOP e o mundo. Mas não tem. Tem uma espécie de ministro que numa entrevista ao Público do dia 2 de Agosto fez questão de não esclarecer qualquer dos assuntos abordados e foram muitos.

Sobre a crise na Ucrânia o Dr Machete considera: “Tudo o que aconteceu com a saída de um Presidente e o ingresso de outro …pareceu um resultado de uma competição económica…A anexação da Crimeia, o auxílio manifesto das tropas russas …teve como consequência que a NATO recuperasse a sua razão justificativa”…

Para o Sr Dr Machete na Ucrânia entrou um Presidente e ingressou outro…Muito bem. O que todos pudemos ver foi exatamente à saída de um e à entrada de outro…no meio de uma verdadeira rebelião armada entrou um e saiu outro. Vejam lá.
No que à anexação da Crimeia diz respeito ela justifica a existência da NATO, porém já não existe Pacto de Varsóvia e os antigos membros do Pacto fazem parte da NATO…Dito de outro modo: A NATO ficou sem inimigo.

Além disso manda a História reconhecer que a Crimeia foi sempre russa…e bem se sabe que o Kosovo fazia parte da Sérvia e agora não faz, mas isso são outras águas bem turvas, como as que impedem a milenar Palestina de ser um Estado independente.

Sobre as negociações com os EUA a propósito das Lajes: O Dr Machete não podia explicar melhor o que se está a passar e a sua explicação é esclarecedora – “continuamos a estudar as medidas que possam mitigar a diminuição dos efetivos militares e dos trabalhadores portugueses…”.

Que medidas pergunta o jornalista. A resposta do Dr Machete é uma pérola para o anuário da diplomacia portuguesa: “Vai ser publicado no início de Agosto o relatório do Ministério da Economia, outras coisas estão a ser discutidas , não é o momento oportuno para avançar…”

Quanto ao caráter terrorista do Estado Islâmico: ..”A espetacularidade das acções tornaram indiscutível o carácter terrorista do E.I…” Quem duvidar da citação faça o favor de ir ler.

Quanto à situação política em Angola:…” Não me pronuncio. Acho que não ajuda…”
Quanto à situação política na Rússia: …” Viveu-se na convicção de que a Rússia ia evoluir…para um sistema democrático…”

Quanto à situação política na Guiné Equatorial e à decisão do Presidente Teodoro Obiango de dissolver o poder judicial: …”Não foi um passo positivo… “ Tem de ser ultrapassadas as imperfeições…”

Sobre a eternização no poder de certos Presidentes africanos: …”Acho que o Presidente Obama tem uma posição muito particular …”
Mas reconhece acuidade, pergunta o jornalista….”Há situações que se podem enquadrar…”

Pode concretizar?
…”Não…”

Quanto aos curdos da Turquia: …”Os curdos são um povo…que aspira a uma autonomia e eventualmente à independência…Há uma organização que pratica actos terroristas(PKK)…

Os mesmos curdos que são agora atacados?
…”Isso é outro problema. É a tentativa que os curdos através dessas acções ganhem jus à independência ou a uma autonomia que perturba os planos de Ancara para aquela área e a integridade territorial da Turquia…”

O Sr Dr Machete reconhece que os curdos são um povo mas só se o poder de Ancara não os bombardear porque se bombardear se calhar já não são um povo e não têm o direito à autonomia ou á independência, mesmo sendo a Turquia membro da NATO…
Sobre as botas no terreno para derrotar o E. I.: …Para uma luta eficaz e rápida serão necessárias…Viu-se o exemplo curdo. O facto dos curdos estarem no terreno evitou a tomada de Bagdad…”

É impressionante a pobreza política deste homem que faz de Ministro. Os curdos estão no terreno porque são de lá, do terreno. As tropas dos EUA e da NATO não são de lá; são de outros terrenos, bem longínquos e, por isso, por não serem do Iraque, nem da Síria, nem da Líbia criaram esta loucura em que está a viver o Médio Oriente.

Os espanhóis em 1640 tinham cá as botas, mas não eram de cá e foram corridos.
Os ingleses tinham as botas na América e foram corridos.
Foram as botas da ocupação do Afeganistão, do Iraque e os bombardeamentos da Líbia que ajudaram a criar o E. I. São os nacionais de cada país com a solidariedade dos países e povos que serão capazes de vencere ultrapassar a situação. Foi assim também em Timor-Leste.

É pena que Portugal não tenha um Ministro que com a sua voz fosse capaz de levantar a voz de Portugal para defender os portugueses. Portugal estaria melhor. Mas pensando bem um tal Ministro não seria convidado por Passos Coelho. Eis a razão de ser do Dr Machete como Ministro. Um zero. Pode ombrear com o Professor Cavaco Silva no que toca a dezanove menos um.

Anúncios

Um pensamento sobre “E Se Portugal Tivesse Um Ministro dos Negócios Estrangeiros

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s