O CASO GREGO

Quando um País entra em crise devido a um conjunto de problemas que podem ultrapassar a própria capacidade do país para os resolver e tendo em conta a União, a receita da U.E. é metê-lo no torniquete da austeridade, passando a ser um devedor, uma nova entidade nas relações internacionais.

Em nome de um programa que o povo grego rejeitou e que o levou à miséria, a U.E., capitaneada pela Alemanha, trata a Grécia como um devedor.

E se o programa do resgate ofendeu a dignidade dos gregos não há outra alternativa que não seja continuar a servir o mesmo veneno.

Ainda não havia Alemanha, nem Rússia, apenas bárbaros na velha Germania e já na Grécia nascia uma civilização e se praticava a democracia (para os patrícios).

Há alguém capaz de imaginar que um país não defenda a todo o custo o que é melhor para si? Só o íncola de Belém e os líderes do governo que se pavoneiam junto da Merkel e de Schäule como os meninos zéquinhas bem comportados, a abanar o rabo, para que não se esqueçam que existem.

O indecoro tomou conta desta gente, até o homem que habita em Belém, confunde obrigações em carteira com doações à Grécia … estão borrados de medo com o destino que as coisas podem vir a levar.

O Sr. Schäuble, é ministro das finanças da Alemanha e mais nada. Não fala, e se fala, fala indevidamente em nome da Europa. Este continente ainda não está dividido em credores e devedores, mas sim em países, nações e povos.

É coisa que a Alemanha historicamente custa a entender, mas é a verdade.

A Grécia é um país, até aqui era um protetorado; Portugal é um país, mais antigo que a Alemanha com um governo que tem o coração a bater ao ritmo dos mercados e dos credores e que fica satisfeitíssimo porque o Sr. Schäuble disse que Portugal ia bem. Como em Portugal a esmagadora maioria vai mal, como ninguém diz que vai bem, Passos Coelho e Portas ficam doidos de contentamento e quando o senhor professor de Belém os vê contentes, é o contentamento geral na capoeira de garnizés.

Simplesmente quando se manifestam em Berlim ou Bruxelas com esta alegria os portugueses nem sequer são atendidos nos hospitais por causa do frio … E as crianças deste país passam fome, cerca de um terço, e a justiça não funciona, e os salários são cada vez mais baixos por causa da concorrência…

É isto que prova que o programa funciona?

A Alemanha que exporta cada vez mais, que ganha com a crise tem quem a defenda! O mal está em não haver governantes que defendam Portugal, há figuras rastejantes diante do” Reich”.

É absolutamente inaceitável dentro de uma União de Estados tratar um país deste modo: ou pagas ou vais para a rua.

Porém vem trazer à luz do dia o que significa para o diretório da EU a soberania dos países, a sua identidade, a sua cultura.

Tudo se reduz a números: a Grécia ficou pior do que estava antes do resgate, pois tem ainda de ficar pior para então melhorar.

Quem vai beneficiar com o tal tratamento de choque é a Alemanha pois ficará com mão-de-obra mais barata e a poder exportar mais face à destruição do tecido produtivo.

A Alemanha não manda na Europa. Pode mandar em meia dúzia de governantes, mas o medo de que o exemplo da Grécia se multiplique, faz os seus dirigentes da grande coligação perder o verniz.

Um país, um povo, uma nação, têm alma, identidade, história e isso quer a Alemanha queira ou não, não se compra.

É esse o embate presente, entre os que tudo compram e vendem e a dignidade e a decência.

Já sabemos que em Portugal neste combate teremos de enfrentar os que sucumbiram aos desígnios dos diretórios europeus.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s