Sem cremalheira no Dragão e em Famalicão

 

 

O Ésseélebê graças ao seu treinador habituou-se a ganhar, o que só tem mérito. Quem se habitua a ganhar tem mais probabilidade de ganhar do que os que se habituam a perder.

Esta época o Benfica, apesar de só ter perdido na 3ª jornada em casa com o Porto, voltou a perder no Dragão. E em vez de encaixar a derrota que mereceu, atirou-se ao árbitro.

O Ésseélebê é tão grande, tão grande, tão grande que pode ter um altíssimo funcionário a espiar magistrados,  e do alto desse seu poder de infiltração já sabia que se o Soares Dias não desse a vitória ao Porto a sua pastelaria seria toda partida, como afirmou o mais sério, honrado, impoluto, visionário, solerte, ínclito, pacifista, magnânimo cidadão Luís Filipe Vieira.

Ao que consta o honrado, sério, visionário Luís Filipe Vieira, quando for presente a julgamento nos vários processos que malevolamente contra si urdiram, por temer que os juízes e as juízas portuguesas temam a violência do corpulento Jorge Nuno Pinto da Costa irá reclamar junto da Assembleia da República, do Tribunal Constitucional, apoiado pelo gabinete de crise do Ésseélebê juízes estrangeiros, o que a não ser atendido só confirmará a capacidade de coação do emblema do Norte.

O dragão, em vez de aceitar que, na segunda circular, o Ésseélebê recebeu por concessão divina o direito a ser campeão, impôs-lhe este campeonato duas derrotas, o que demonstra a importância de árbitros estrangeiros nestes confrontos, como realçou o mais impoluto Presidente.

Na verdade, o senhor Artur Soares Dias vestia de negro porque é cor dos gajos que têm miúfa e querem esconder o que fazem por eles abaixo no escuro da fardamenta.

O Benfica só está habituado a perder com quase todos os clubes estrangeiros onde os árbitros, como é sabido, são todos estrangeiros porque se fossem portugueses provavelmente ganhavam tantos jogos como os que ganha em Portugal.

Por isso, só se pode louvar a extraordinária ideia do mais preclaro Presidente existente no nosso mundo de colocar os árbitros gregos, alemães, espanhóis, franceses e até italianos a arbitrar em Portugal, dado que é previsível que não tenham pastelarias a quem os do Porto possam mandar escaqueirar. A ideia é ótima e quem de direito não descurará de deixar de a ter em conta.

Quanto aos dentes que o jogador do Benfica diz ter perdido tem tudo a ver com o número de pontos que o Benfica perdeu no Dragão; é que os pontos seguram os dentes com que se mastigam os campeonatos.

O que se não entende é que apesar dos quatro pontos de vantagem tremem que nem varas verdes, com medo dos que podem vir a perder e ficarem sem dentes para trincarem.

Aliás viu-se, não só no Dragão, mas também, em Famalicão, que o Benfica está com a cremalheira mui mal tratada.

CONGRESSO DO PSD NO REINO DA IDEOLOGIA DESIDEOLOGIZADA

O PPD/PSD realizou o 39º congresso em 46 anos de vida. É obra. Nasceu dizendo que era social-democrata com base em alguns deputados liberais, dissidentes da Ação Nacional Popular, o partido do regime fascista.

Em Maio de 1974 mandava o oxigénio da libertação que os partidos se afirmassem contra a direita e apontados ao socialismo.

Sá Carneiro assegurava que o PSD não era da direita, era social-democrata. Como se lembrarão (os que viveram a época e os informados) o PS era o partido social-democrata filiado na Internacional Socialista.

Bem tentou o PPD inscrever-se na I.S., mas o peso de Mário Soares não o permitiu.

Na verdade, o PPD tinha nas direções iniciais um pouco de tudo, até sociais-democratas, e as bases claramente inclinadas à direita e provenientes dessa área, incluindo dos apoiantes do regime anterior.

O PPD passou a PSD para ver se o termo social-democrata dava mais “modernidade”. Acabou por se afirmar um partido de centro direita e com uma viragem clara para o neoliberalismo de que é exemplo vivo a política do PSD com Passos Coelho aliado a Portas. Uma política de direita, sem rodriguinhos.

Uma vez derrotada a coligação Passos / Portas / M. Luís / Cristas, Rio ganhou a liderança e vem agitando a bússola que o move como sendo um partido de centro, o que como se sabe é incompatível com a social-democracia que (independentemente da autenticidade) sempre se afirmou como pertencendo à esquerda no panorama da Europa. A social-democracia afirmava-se de esquerda na França, Grã-Bretanha, Suécia, Dinamarca, Finlândia, Grécia, Alemanha, Itália etc. Outra coisa era saber se o era.

Portanto, ser do centro e simultaneamente social-democrata é uma contradição insanável.

Mas o problema maior é que a nova ordem mundial caracteriza-se por ser uma espécie de semáforo com uma cor só, a do dinheiro, pois dinheiro é o que têm os que mandam nos que governam.

Nestas circunstâncias as políticas tendem a ser iguais porque todos os do centrão defendem o mesmo.

Saem dos governos para os bancos, para os conselhos de Administração dos grandes corporações e gravitam em torno da divindade máxima, o Deus dinheiro. Acabou de falecer um exemplo vivo, Álvaro Barreto.

Face ao desencanto dos cidadãos neste tráfico de poder surgem ideias fantasiosas como a de abrir os partidos a quem quiser. Ou seja os partidos deixam de ser uma organização com um corpo de ideias que sustentam um programa, e passam a ser um local aberto a todos os que queiram votar, tanto faz, da esquerda à direita.

Chamam a isto abrir. No entanto, trata-se de fechar as reais possibilidades de aparecimento de verdadeiras alternativas.

Em vez de obrigar os partidos a cumprirem e a assumir a coragem de romper com essa permanente traição ao eleitorado, envereda-se pelo caminho da homogeneização da sociedade no reino dos mercados.

Se todos são chamados a votar no PS e no PSD, e sendo todos os mesmos, o resultado é sempre mais do mesmo, a tal política “europeia” da Alemanha, as tais reformas que estão sempre a pedir mais reformas, as tais concessões aos privados, mais privatizações, menos setor público, mais salários baixos, mais dinheiro para os que já têm muitíssimo. Aprofundar as desigualdades e criar uma multitudinária legião de governantes por esse mundo fora capazes de guardar os donos do mundo, nem que seja à custa da miséria, da fome e do próprio planeta. Os multibilionários é que sabem. Chamam a isto limpeza de ideologias, mesmo que seja um programa intensamente ideológico, com a ideia que os cidadãos valem pouco, se comparados com os acionistas. O Congresso do PSD não passou disto. Ao centro com o novo CDS  e à espreita do PS ou do seu tombo se fizer o que a direita lhe pede.

https://www.publico.pt/2020/02/12/politica/opiniao/congresso-psd-reino-ideologia-desideologizada-1903718

Porquê agora este eufemismo-pontos de contacto do PS com o PSD

 

Não há ninguém que não tenha presente que no Parlamento há quase sempre pontos de contacto entre as várias propostas dos diferentes partidos. Sempre houve e vai continuar a haver. Branco é, galinha o pôs. Assim sendo o que fez a líder do grupo parlamentar do PS vir a terreiro garantir (quase a pés juntos) que entre o PS e o PSD terá de haver pontos de contactos?

A alta dirigente do PS parte do princípio que agora o PSD está estabilizado e que …“nós sabemos que o PSD esteve sempre com o PS, ou que estivemos em posições diferentes, mas muito próximas … E até nas questões estruturais do país”… No Público do dia 30.01.2020 está lá pretinho no branco que tem de haver, vai haver pontos de contacto porque o PSD esteve sempre com o PS, ou próximo, até nas questões estruturais.

Nesse dia, António Costa num encontro com os deputados do PS, zurzia nos parceiros da gerigonça porque querem tudo num dia e o PS não pode dar tudo Nesse prazo.

Convém recordar que, apesar do PS se ter esfarrapado para obter uma maioria absoluta, o povo português não lha deu.

Ora não a tendo dado, o PS tem de fazer opções de acordo com o que considera ser o seu programa.

Na campanha eleitoral fartou-se de elogiar a equipa vencedora, atacando o PSD e a direita. Isto foi o ponto forte da campanha- contido no pedido da maioria absoluta do género, nós queremos, mas não o dizemos, vocês já perceberam, se nos derem vão ser tudo rosas.

Mas não teve maioria absoluta. O caminho seria a consolidação e o reforço do anterior, e não um parenteses para voltar aos pontos de contacto até nas questões estruturais com o PSD.

O PS não precisaria de justificar os supostos “exageros” das esquerdas para abraçar os “pontos de contactos”. Para tanto basta-lhe a volta ao passado nesta legislatura – sossegar Bruxelas, voltar aos carris do centrismo, virar-se para a direita que diz ser o centro e o PS que se diz esquerda abraça o mesmo centro que é onde todos os do “sistema” querem estar a empurrar-se ver quem fica com mais lugares.

O PS e António Costa tiveram a virtude (vale uma vénia) de acabar com o muro que impedia acordos com os partidos da esquerda. Mas parece cansado por esses quatro anos de negociações com vista a que o povo português tivesse melhores condições de vida e o recuperasse rendimentos que o PSD/CDS lhe retirou.

Paradoxalmente olha agora para o velho PSD, sempre em pé de guerra, e vê-o estabilizado e pronto para os tais contactos até em questões estruturais.

Se o PS for por esse caminho de “contatos” com o PSD é natural que acabe incontactável para as esquerdas e regresse ao seu curso normal, agarrado aos contactos, construindo o centrão. Voltará o velho PS. Acabará por perder o que ganhou e resultou do acordo à esquerda. Sempre que fez acordos com a direita perdeu.

https://www.publico.pt/2020/01/31/politica/opiniao/eufemismo-pontos-contacto-ps-psd-1902460

 

 

O Benfica, a Escusa do Venerando Desembargador, a Paixão, a Razão e a Relação

 

O  juiz, que tem uma paixão pelo S.L. Benfica, e que é acionista da SAD e tem lugar cativo e red pass na catedral, teve a coragem de pedir a escusa no julgamento dos emails postos a nu.

O Juiz, seguramente pela sua experiência de tantos anos, conhece os limites da emoção, dos sentimentos e da razão fria e desapaixonada.

Por isso e para que a decisão, sobre a matéria, não pudesse ser objeto de qualquer suspeita tomou a decisão que é de todos conhecida – escusa.

É de presumir que a decisão de pedir escusa tenha sido amadurecida como sendo a melhor para a boa decisão da causa.

Como também é conhecido da opinião pública, Deus não dorme e o Senhor Juiz Desembargador, após o sorteio lhe ter atribuído o processo, a convite da Administração da SAD foi visitar as instalações do Seixal, o que deve ter deixado o convidado, apaixonado do Benfica, perto do sétimo céu, dado o primor do centro benfiquista.

Como já se conhecia que aquele era o Juiz é de supor que a decisão da Administração da SAD do SLB tenha pensado que um homem da têmpera do Senhor Desembargador jamais se deixaria influenciar pela visita, pois faria como o grande BUDA, olharia em frente e conseguiria com um apego último à sua RAZÃO apagar no cérebro palavras, estádio, instalações e com essa milagrosa esponja estaria de novo recapacitado para se atirar desapaixonadamente à Apelação interposta pelo FC Porto.

Tudo porque Deus não dorme, nem o tal gabinete de crise criado quando Paulo Gonçalves era braço direito de Luís Filipe Vieira, mas afinal trabalhava para si mesmo, sem qualquer conhecimento do Presidente, homem impoluto, talvez a condecorar, como tantos já medalhados.

Afinal o Sr. Dr. Juiz, Presidente do Venerando Tribunal da Relação do Porto, veio acalmar os ânimos e decidir que o Sr. Dr. Juiz Desembargador Relator podia decidir porque era apaixonado do Benfica, tinha red pass, era acionista, mas isso pouco contava face ao desvelado amor à RAZÃO e daí poder decidir como o mármore de Carrara – friamente.

E além do mais havia outros Desembargadores no julgamento, coisa que não se imaginava, face ao número de casos vindos a público dando conta das chamadas assinaturas de cruz nos Doutos Acórdãos prolatados. Cruzes.

Claro que com toda a frieza que se é capaz de obter a partir de uma arca congelada a 17 graus centígrados abaixo de zero, seja qual for a decisão que o Sr. Dr. Juiz Desembargador tome, ninguém vai dela duvidar.

Jamais passaria pela cabeça a qualquer português imaginar que ela resultou de ele ser benfiquista e daí que se ela for favorável ao Porto, se ter encolhido e, se ela for favorável ao Benfica, o que já se sabia.

Face a este cenário com toda a frieza – não havia outro Juiz? Parece que não. Ficou a parecer que tinha que ser aquele.

 

https://www.publico.pt/2020/01/24/opiniao/opiniao/benfica-escusa-venerando-desembargador-paixao-relacao-1901614

A prosperidade do capitalismo, segundo Poiares Maduro

O capitalismo é hoje o único sistema que abraça o Planeta de lés a lés. Não há outro.

Segundo a ONG Oxfam dois mil cento e cinquenta e três pessoas (2.153)têm mais riqueza que quatro mil milhões e seiscentos milhões (4.600.000.000). Repare-se bem no contraste entre quatro e dez algarismos.

Os vinte e dois homens mais ricos do mundo têm mais riqueza que todas as mulheres de África, onde certamente deverá estar Isabel dos Santos.

Um por cento dos mais ricos possuem mais riqueza que seis mil e novecentos milhões de pessoas (6.900.000.000).

Metade da população vive com menos de 4,90 euros por dia; um em cada cinco habitantes do mundo sobrevive com menos de um dólar por dia. Este é em traços muito largos um outro retrato do mundo que vivemos.

Pensar o mundo como algo que existe na Europa, na América do Norte e nalguns países asiáticos é algo que não reflete a realidade.

É por demais evidente que o capitalismo, nascido em boa medida dos Descobrimentos, sacou de África, América e Ásia riquezas incomensuráveis que permitiram o aparecimento de uma burguesia forte, capaz de vir a assumir-se como classe dominante no continente, destruindo o tecido económico da India e limitando fortemente o desenvolvimento das nações do chamado Terceiro Mundo.

Apesar disso o panorama atual não abona a favor do sistema, antes deixando ver as imensas chagas que traz no seu bojo.

É claro que nos EUA, na U.E., no Japão e na Austrália e mais uns tantos países há um bem-estar que a Humanidade nunca tinha desfrutado. Sem dúvida. No entanto, nos países da G7 os salários aumentaram 2% e os dividendos 31%.

Contudo, nunca será demais ter em conta que a partir de Outubro de 1917 o capitalismo se viu confrontado com outro sistema saído da revolução russa. E que depois da segunda guerra mundial esse novo sistema se estendeu por todo o globo. E porque o capitalismo o temia foi evidente que na sua necessidade de sobreviver soube adaptar-se e para não perder o pé foi pressionado a criar o chamado Estado Social, em que a social-democracia se afirmava como alternativa aos dois sistemas, mantendo, no entanto, o essencial do capitalismo.

Foi então que as classes trabalhadoras conquistaram o direito a férias, à segurança social, à semana-inglesa, mais tarde aos subsídios de férias e de natal. Os trabalhadores passaram a ter acesso a importantes bens que mudaram as condições de vida. Tudo porque do outro lado da “Cortina de ferro” estava o socialismo.

Só que a implosão daquele modelo abriu os diques do desbragamento capitalista e aí está o neoliberalismo esfomeado a criar milhões de pobres para forjar um bilionário.

Poiares Maduro, em entrevista concedida ao Público em 06/01/2020, confunde partes do globo onde o capitalismo tem a sua glamorosa montra, esconde, por outro lado, a infamante pobreza que lança mais de três mil milhões de seres humanos numa vida de verdadeira indignidade, obrigados a sobreviver com dois euros por dia.

Nem na própria união Europeia é capaz de acabar com a pobreza. Aqui, em Portugal, ela bate à porta de um quarto da nossa população. Poiares Maduro sabe-o, pois pertenceu a um governo cuja missão foi empobrecer os portugueses. E empobreceu. Em 2017, segundo o INE, havia em Portugal 2.399.000 cidadãos em risco de pobreza.

https://www.publico.pt/2020/01/22/politica/opiniao/prosperidade-capitalismo-segundo-poiares-maduro-1901270

 

Harry e Meghan em part-time real

 

O Reino Unido, vulgo Inglaterra, é um país de reis, rainhas e nobres, apesar de toda a modernidade espalhada pelos quatro cantos do país.

Nascer-se filho daquelas famílias é um acontecimento mundial que nenhum media quer perder. Os filhos dos duques são apresentados como se o mundo tivesse recuado séculos, embora na City as cotações do mundo financeiro continuem a sua saga e a inteligência artificial se estenda pelo planeta, essa é que é essa.

A família real tem mansões, grandes propriedades, castelos, fundos e muito metal sonante daquele com que se compram Roll-Royes, Bentleys , aviões e outros que tais,  leva muito a sério o mundo dos negócios.

O filho de Diana, o príncipe Harry, sexto na linha sucessória, casado com a atriz Meghan, apesar de todas as múltiplas benesses, deve estar farto daquela velharia infernal, sempre a trabalhar, em que o pai Carlos mais parece um bisavô que  pai (deve ser da Camila ou quiçá do trabalho a despachar secretários). Há que dizê-lo – conspirar na família real dá muito trabalhinho.

A família real conclavou no castelo de Sandringham e determinou por via de Her Majesty que Harry e Meghan são livres (não o seriam), mas atenção que quanto a serem independentes ela vai ver dentro de dias como se processará a alforria.

A rainha e a sua família prefeririam que Harry e Meghan continuassem “…a trabalhar como membros da família real a tempo inteiro…” Mas, como não querem trabalhar a tempo inteiro para a família real talvez seja possível encontrar um part-time (a palavra é inglesa) em que os “independentistas” continuem a usufruir de certos castelos, de certas mansões, propriedades e outras roiyalties.

Fantástica esta família que pretende que os seus membros a tempo inteiro trabalhem auxiliados por uma caterva de criados e assessores e assim fiquem quietinhos a trabalhar a tempo inteiro. O problema é que os secretários empurram na família uns contra os outros e os familiares não se seguram, coisas da nobreza.

Como o mundo se move, como disse Galileu Galilei que não era de sangue azul, Her Majesty the Queen admite, melhor, aceita que os duques poderão trabalhar em part-time para a família real.

Que Deus abençoe a Rainha nesta hora dramática e trágica em que Harry e Meghan se mudarão para um novo tipo de trabalho. E terão a tempo inteiro a  parte do fundo soberano e a quota da herança da mãe de Harry, a malograda Diana. Ao que se diz o príncipe Carlos não vê com bons olhos este part-time porque coitado dele, tirando o criado que o veste e calça, tem de se levantar todos os dias à espera de ser Rei. Uma chatice a tempo inteiro.

https://www.publico.pt/2020/01/15/mundo/opiniao/parttime-duque-duquesa-sussex-1900469

As armas falarão mais alto e ditarão as suas leis?

Tornou-se um lugar-comum afirmar que o mundo está a ficar um local perigoso para se viver.

É indesmentível – a ordem que saiu da segunda guerra mundial está a esvair-se e a ser substituída por uma nova ordem ditada pelo desequilíbrio da força militar. Haverá força para contrariar esta tendência? Que reequilíbrios se poderão vir a estabelecer?

Os líderes que pugnam por uma nova ordem mundial são exatamente os mesmos que, no plano interno dos seus países, prosseguem políticas de apoio ao armamento dos cidadãos.

A configuração deste universo interno passa, no plano internacional, pela ação militar e o fim do apego à filosofia do atual direito internacional que proíbe a guerra.

Baseado numa superioridade militar/tecnológica, Trump vai-se apresentando como Sherif do mundo e ostenta os diversos troféus que vai eliminando.

O assassinato do general iraniano constitui uma ação de guerra contra outro país, com a agravante de ter sido cometido noutro país… Há quem entenda que aquela ação serviria para desviar a atenção dos cidadãos dos EUA do impeachement.

Portugal ficou em silêncio face ao assassinato do general iraniano, mas foi rápido a condenar o ataque militar iraniano aos EUA, igualmente no Iraque e também ele um ato de guerra no território de outro país. Pesos e medidas que não abonam a credibilidade internacional. São precisos Estados coerentes na defesa da paz no meio deste mundo caótico.

Apesar de toda a retórica Trump parece ter abandonado a cadeia das respostas e contra respostas, dado a perigosidade da prossecução desse caminho. Na madrugada de quarta feira o MNE iraniano já tinha deixado claro que aquela era a resposta, deixando antever o fim da “vingança”, esperando-se que tudo volte a uma certa normalidade em que as conversações substituam o ribombar das armas.

Os tempos, em certa medida, assemelham-se ao período que antecedeu a segunda guerra mundial em que todos se calavam para não enfurecer Hitler…

No Médio Oriente sauditas, iranianos, turcos, russos, e sobretudo os norte-americanos armam os grupos que fazem o seu jogo. Não são aceitáveis teorias que há terroristas melhores que outros. O terrorismo deve ser banido, seja ele qual for, incluindo o de Israel e da Arábia Saudita. Não eram iranianos os que atacaram Nova Iorque, muitos pertenciam à Arábia Saudita, país da origem de Ossama Bin Laden.

Qassem Soleimani não era nenhum anjinho, era o homem da política iraniana para a região da qual os EUA distam a mais de sete mil quilómetros, e apesar disso cercam toda a área por todos os lados acompanhados por tropas da NATO, incluindo portuguesas.

Trump chegou a pontos de ameaçar a destruição de centros culturais e civilizacionais que são pertença da Humanidade. Trump já se apropriou da linguagem do DAESH e das suas mensagens de destruição dos símbolos civilizacionais, arrependendo-se mais tarde, dado a lei internacional o proibir, algo que não lhe deve ter passado pela cabeça, mesmo sendo o Presidente dos EUA.

Nas relações entre Estados a arrogância e a fanfarronice é má conselheira. Vale sempre a pena ter presente que o Iraque tem hoje esta influência iraniana graças a George W. Bush.

Ser o país mais poderoso nos tempos atuais não chega para ser respeitado e admirado. Nem chega para impor ao mundo a sua política.

Por instantes o Presidente dos EUA, embora arengando ameaças, parece ter abandonado para já a sua terminologia catastrófica e belicista acerca do que o exército dos EUA é capaz de destruir.

Resta apesar de tudo o que não pode nunca morrer- a esperança da paz. Só a melhor consciência dos povos e de cada cidadão aliada a todos os Estados vinculados aos princípios da paz mundial poderá impedir o rumo para a barbárie. Que cada um pergunte a si e a todos se é inevitável o precipício.

https://www.publico.pt/2020/01/09/mundo/opiniao/armas-falarao-alto-ditarao-lei-1899797