Foi há 77 anos – um dos maiores crimes contra a Humanidade

Há setenta e sete anos os Estados Unidos reduziam a cinzas nucleares a martirizada Hiroshima.

Por ordem do Presidente Harry Truman a Força Aérea bombardeou Hiroshima e Nagasaki com uma bomba atómica em cada uma delas arrasando as duas cidades e matando mais de duzentas mil pessoas.

 Os dirigentes dos Estados Unidos friamente tomaram a decisão, com o Japão derrotado a todos os níveis, de sacrificar, no altar da sua hegemonia mundial, a vida destas centenas de milhares de japoneses.

Até hoje os dirigentes ocidentais nunca se referiram aos autores destes dois crimes como sendo passíveis de serem julgados por crimes contra a Humanidade. E matar com duas explosões atómicas mais de duzentas mil pessoas é realmente um crime sem perdão que os media dão nota como sendo algo de certa forma aceitável para derrotar o Japão, já de gatas.

Tratou-se de uma ação militar para intimidar a URSS e de afirmação do seu domínio militar que como se sabe durou pouco tempo.

De então até hoje as bombas atómicas são brinquedos comparadas com o poder destrutivas das armas nucleares hoje existentes.

Uma coisa é absolutamente certa – enquanto não for travada a corrida às armas nucleares a Humanidade estará a cada segundo da sua existência à beira do perecimento.

Como pode a inteligência humana tornar-se na mais estúpida realidade? Como pôde o animal que abandonou o andar a quatro, que se ergueu nos pés, caminhou pelo mundo, evoluiu, sonhou e chegou agora infamemente à vã glória de ter o poder de destruir toda esta fantástica caminhada engendrada pelo homo sapiens?

Quando o poder das armas fala mais alto que a razão, a bondade e os sentimentos humanos, como vemos na Ucrânia com a ameaça de carregar no botão da destruição; quando há um país que não sendo sequer capaz de assegurar a paz interna nas suas fronteiras quer impor ao mundo o seu way of life , quando as guerras dilaceram o mundo em todos os continentes,  só a inteligência e a determinação dos cidadãos e dos povos do mundo inteiro podem fazer frente a este perigo louco que nos ameaça a cada instante. No braseiro nuclear todos morrem em igualdade de circunstâncias – empresários, trabalhadores, religiosos, ateus, artistas, mulheres, crianças, idosos, todas e todos.

É, por outra banda, positivo que as opiniões públicas se atemorizem com a hipóteses de uma guerra nuclear, mas não sintam que têm o poder de a impedir. E é pena que os media não façam sua esta nobilíssima causa.

Não há uma única arma nuclear boa nem em boas mãos. Todas devem ser banidas, todas sem a menor exceção na Rússia, nos EUA, na China, na França, no Reino Unido, na India, no Paquistão, na Coreia do Norte e em Israel.

Que o exemplo de Nelson Mandel ilumine o mundo, com ele a África do Sul desnuclearizou-se.

Que as centenas de milhares de mortos de Hiroshima e Nagasaki sirvam de testemunho para impedir a guerra nuclear e que ninguém esqueça quem as fez deflagrar.

Se os detentores das armas nucleares declarassem que nunca seriam os primeiros a usá-las o mundo respiraria de alívio. Que o mundo se mova e o imponha aos fanáticos do belicismo.

2 pensamentos sobre “Foi há 77 anos – um dos maiores crimes contra a Humanidade

  1. António Melo

    O canal Arte, que é acessível em Portugal pelo servidor da NOS, dedicou a passada 3ª ao tema da guerra nuclear, abrindo com um instrutivo doc sobre o bombardeamento atómico de 6 de agosto de 1945 – Hiroshima, la véritable histoire – Regarder le documentaire complet | ARTE
    Vale a pena ver, bem como os dois outros docs sobre os riscos “acidentais” que ocorreram em centrais militares nucleares.

    Gostar

Deixe uma Resposta para Luciano Caetano da Rosa Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s