Por Creta

Montanhas caem no chão como o acento agudo nas vogais. O ar denso e sedutor como deve ser a pele de Afrodite toca-nos a face como um aceno de um olhar atrevido.

xxxx

O mar loquaz na incansável arenga de vai e vem à medida do tempo. Quem castigou o mar? Que deuses o não deixam descansar? Será Poseidon?

xxxx

A terra cor de tijolo expõe-se sempre virgem na dádiva, encarnando a fertilidade que os minoicos viam como divindade maior.

xxxx

Esta é Creta de longínquos tempos trajada de azul do mar e dos céus que os heróis levaram quando fecharam os olhos pela vez última.

A terra dos deuses muito velhos e mortos que revivem sempre que a memória se torna presente.

xxxx

Sempre o sonho, de Knossos a Ulisses, a Sócrates, a Domenikos Theotokópoulos, El Greco, a Theodorakis.

Em Knossos tudo volta ao princípio apesar das descobertas de Einstein e da antimatéria.

Todos os alunos deviam obrigatoriamente estudar a civilização minoica para que o mercado atual não derrote a cultura.

xxxx

Dizem que Zeus, filho de Cronos, haveria de derrotar o pai depois de ter crescido numa gruta para que o pai o não matasse.

Os humanos nunca foram de fiar e pelos vistos os deuses seguiram-lhes as pisadas e refinaram alguns atributos dos humanos, roubando-os.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s