Há bifanas ou o que há?

As bifanas têm o seu quê, que se não vê. As de Vendas Novas falam por si, há décadas. Há quarenta anos não havia caçador que a meio da noite não parasse no Boavista. Havia uma longa fila para saborear as bifanas a pingar de gordurinha.

Agora no Porto Alto há uma nova casa de bifanas. E ficamos sem saber o que realmente há.

Se bifanas estranhamente confecionadas com palavras e ideias, à poeta, mais escorreitas, como é das Letras.

Ou se as bifanas são fonte de inspiração espiritual, apesar da gordurinha a escorrer da carcaça; os poetas já não vivem à míngua de uma boa bifana.

À vista há bifanas à Poeta e há que provar. Pode ser que ponham o país a ler à larga.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s