Éticamente reprovado, o filisteu Paulo Portas

A verticalidade capaz de suportar uma vida coerente é um dos valores mais elevados na vida social, mesmo que o não pareça.
Uma das razões pelas quais os cidadãos deixaram de acreditar nas instituições e inclinaram-se para saídas populistas de extrema direita reside nas mil e promessas que os políticos que governam anunciam e nunca cumprem.
Um dos expoentes máximos da ausência de um pingo de verticalidade ao longo da sua vida política é Paulo Portas.
Enquanto político foi um manobrador e manipulador que se poderia designar como o maior balseiro do reino.
Talvez, por isso, depois destes anos a balsar tenha sido chamado agora para comentador na TVI, dado que sua exemplar vida de político sério impunha que não ficasse submergido em águas profundas e não pudesse ser visto a perorar como só ele sabe, sem o respetivo periscópio.
Paulo Portas desde os tempos de diretor do Independente até hoje travestiu-se de tudo no que se refere a direita portuguesa.
Passou os seus dias a atacar e a incensar Cavaco; a propor e a rasgar acordos com o PSD incluindo com Marcelo Rebelo de Sousa; a frequentar feiras, a beber copos com os velhinhos e propor aumentos das reformas e a cortá-las no governo.
A tudo habituou os portugueses. Só que apesar disso poderia haver quem pensasse que ele, nesta fase, fosse mais comedido.
Só que nem sempre se consegue disfarçar o que se tem na alma e Portas, apesar do seu maquiavelismo, deixou-se levar na sua ternura por Bolsonaro e não vê na conduta da personagem nada de eticamente reprovável. Trata-se de um capitão de umas Forças Armadas nacionalistas. Sem mais. Que enlevo! Que admiração!
Portas não vê nada de eticamente reprovável quando Bolsonaro afirma que não é com eleições que se resolve o problema do Brasil, mas sim com 30.000 mortes… Nem quando acha que os pobres devem ser esterilizados… Nem quando afirmou que o mal da ditadura foi torturar em vez de matar… Nem quando incitou ao ódio contra os vermelhos…Nem quando o seu filho considerava que um cabo seria o suficiente para encerrar o Supremo Tribunal de Justiça…Nem quando defende que os brasileiros devem ter acesso livremente às armas…
É verdade, o enlevo de Portas pela personagem cega-o e fá-lo perder a capacidade que todos lhe reconhecem de disfarçar.
Portas deixou cair a máscara. Um cidadão que nada tem de eticamente censurável só pode merecer elogios; foi a mensagem do admirador.
Portas como Bolsonaro invocam muitas vezes a sua fé e Deus. Só que nunca explicaram como se pode invocar o nome de Deus para fazer política? A isso chama-se invocar o nome de Deus em vão, violação do segundo mandamento.
Além de que no caso de Bolsonaro é mais grave porque entende que Deus está acima de tudo e todos, mas sem dizer qual é o seu Deus, dado que cada um tem o seu Deus e no Brasil tão vasto e diversificado nem todos têm o mesmo Deus, pois há Deuses muitos diferentes no culto dos brasileiros.
Portas desconhece por completo o catecismo da Igreja Católica ou então comporta-se como um filisteu. Fica-lhe o elogio da folha limpa do seu capitão admirador da tortura e da esterilização dos pobres.

Publicado no Público online de 31/10/2018

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s