O que revela o assassinato de Jamal Khashoggi

O assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi, no consulado turco, em Istambul, revela, em toda a sua nudez, a natureza do regime absolutista monárquico no poder em Riad.
O poder saudita congeminou o assassinato de um prestigiado intelectual árabe porque ele não aceitava a mordaça de escrever o que o palácio real queria.
Quando a notícia do casamento de Jamal bateu no consulado, devem ter sido imediatamente transmitida aos mais altos dirigentes sauditas que, sabendo que para casar ele teria de se deslocar ao consulado, organizaram friamente o seu assassinato.
Receberam-no no consulado e uma equipa de carniceiros profissionais, vindos da capital do reino obscurantista no mesmo dia, matou-o e fê-lo desaparecer, ao que se sabe levando-o esquartejado para Riad e afirmando que ele tinha saído do consulado.
A sua noiva, fora do consulado, esperou onze horas seguidas, sem o ver sair. Os dirigentes sauditas tinham perfeita consciência do escândalo que rebentaria, mas para eles todos os escândalos são melhores que Jamal Khashoggi continuar a escrever o que pensava nos jornais onde escrevia.
Na verdade, o poder saudita está habituado a comprar quem quer que seja com os seus triliões. Quem não se render deve ser assassinado, nem que seja no estrangeiro.
Veja-se a posição de Trump. De início considerou muito grave e exigiu que se apurassem responsabilidade, combinando com Riad enviar Pompeo para ele sair de lá “convencido” que a Suas Altezas reais nunca lhes passou pela cabeça assassinar Jamal, sendo que algum dos carrascos o deve ter feito por descuido. Eis o que Trump, provavelmente Macron, Theresa May queriam ouvir.
Esta última e os seus amigos, por uma tentativa de envenenamento de um espião russo convertido para espiar Putin, puseram a Europa em alvoroço com a expulsão de centenas de diplomatas russos, como não se via há décadas, nem no período da guerra fria.
Trump e Pompeo já avançaram com a desculpa que criaram com o tal príncipe “moderno” para que tudo fique na mesma. Os carrascos encarregados de matar Khashoggi afinal saíram de Riad para lhe fazer perguntas sobre a prenda de casamento e Jamal, com o susto, morreu, pois não imaginava que os enviados de Salman lhe quisessem desejar felicidades .
Trump já afirmou que vai continuar a vender milhares de milhões à Arábia Saudita em armamento para abafar a revolta no Iémen. Os amigos são para as ocasiões.
Pactuar com um poder desta natureza é assumir que crimes tão hediondos no modus faciendi e nas desculpas apresentadas possam ser tolerados.
Resta a todos, sobretudo aos Estados, a aceitação ou rejeição de semelhante barbaridade para que que armadilhas deste tipo não possam ser montadas seja onde for e por quem quer que seja.

Transrito do Público online de hoje

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s