António Centeno Primeiro-Ministro da Junta de Freguesia Portugal

 

Como quem não quer assumir Costa envia sinais de estar a alterar o rumo da política que segundo ele deu bons resultados, aliás visíveis por toda a gente, menos por Cristas e Rio.

A austeridade que Passos transformou em eixo da sua política de empobrecimento está nestes meses de 2018 a emergir e até com o mesmo argumentário, ou seja, não há dinheiro, o que não é verdade, nem sequer no anunciado montante referente à despesa com a progressão dos professores na sua carreira.

Quer Tiago Rodrigues, quer Costa não discutem o problema com base em qualquer outro fundamento que não seja o da inexistência dos alegados seiscentos milhões de euros…Ou seja atiram para cima de todos os professores a aleivosia de se quererem apoderar de algo que o país não tem, e com esse despropósito criar sérias dificuldades em Bruxelas e Berlim onde tudo se decide. Trata-se de um problema interno, onde os portugueses são relegados para uma espécie de nativos coloniais que têm na chancelerina e no Président Macron os seus tutores ou ajudantes da missa como os Monsieur Moscovici E Monsieur Drombrovsky, os Comissários europeus das Finanças e da Economia…apesar de por cá o Presidente omnipresente invocar a qualidade de bom aluno, uma verdadeira Junta de freguesia entre o mar e a raia de Espanha.

Os professores  são apresentados como uma classe que não olha a meios para atingir os seus fins e ameaça com greve os pobres dos alunos, como se os pais dos alunos não tivessem tido a possibilidade de subir na sua carreira profissional.

Marcelo, Costa, Santos Silva e Centeno quando se trata enfrentar Bruxelas pelos cortes brutais nos fundos de coesão já acham que menos sete por cento é bem melhor que menos quatorze , como se Portugal se apresentasse à U.E. de mão estendida e internamente, diante de uma classe estratégica para o desenvolvimento do país, de pau em riste. É caso para perguntar onde está a paixão pela educação?

O argumento do bom aluno do Eurogrupo que Marcelo gosta de invocar serve para tentar meter na cabeça dos portugueses que o terror austeritário é o único critério para governar e assim manter o país com as reformas que consistem sempre em cortes na despesa pública, satisfazendo as novas divindades, os mercados.

A situação acentuou-se desde que Centeno foi levado para Presidente do Eurogrupo, que ninguém sabe bem o que é do ponto de vista institucional.

Ainda gostava de ver Centeno defender que na Alemanha o tempo de trabalho dos professores alemães não contava para a progressão na carreira profissional. Cairia, em Berlim, a torre da televisão na Alexanderplatz e o rio Spree saía do leito…Até a Madame Europa, como a tratam com toda a sabujice  alguns jornalistas, se revoltaria contra tal despautério.

Claro que para esta elite de cá uma coisa são os professores da Presidente da Europa e outra coisa são os nossos professores da Junta de freguesia Portugal.

Os professores pertencem a um grupo profissional absolutamente indispensável para fazer o país progredir, dado o relevo da educação nas novas condições da produção. Acentua-se, como bem se sabe, a substituição da produção manual pela altamente especializada

Só através da extensão e sofisticação da educação se pode chegar ao desenvolvimento económico que o país necessita. Tenha-se na devida conta que nos países com maior índice de desenvolvimento humano a profissão de professor é das mais concorridas e prestigiadas.

Só o governo de um país desinteressado nesse tipo de desenvolvimento ataca os professores no seu conjunto acusando-os de chantagistas, tentando atirar a opinião pública contra eles, em vez de os defender.

Se diante do país o Primeiro-Ministro acha que não há dinheiro para o direito mais elementar na vida de um cidadão forçosamente transmite a ideia que o Estado é alguém em que se não pode confiar com todas as consequências negativas advenientes.

Costa parece estar a absorver a filosofia centeneana que por sua vez absorveu a bruxelense, isto é, a de Portugal não passar de uma Junta de freguesia da Europa alemã.

Texto publicado hoje no Público online

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s