Aos Amigos Benfiquistas -2ª Parte

É evidente que as instituições são moldadas pelos homens que têm à sua frente. Mas não só. E aqui entra o que poderá ser um lado novo no fenómeno da alienação. É fácil constatar a universal alienação que a máquina do futebol está a provocar.

Como o mundo está um lugar difícil para se viver ou até sobreviver para a maioria, o futebol pode gerar identidades, alegrias e frustrações coletivas a quem só tem o triste quotidiano.

Quem tiver de conviver com os dias sem luz, a esperança múltipla da comunidade dos que “morrem” pelo seu clube (porque já não há mais nada para se morrer por…) é um fator de alento.

Nas instituições do futebol, neste momento histórico, coexistem instituições, dirigentes e massas associativas que se irmanam, sem estarem irmanadas. Essa simbiose é um dos elementos mais extraordinários da cegueira humana.

Se o clube do adepto for investigado por crimes graves, como por exemplo o da capacidade de se infiltrar na máquina judicial, para o grosso dos associados, este crime não é nada, apenas um instrumento da luta entre os clubes.

Em certo sentido, já não é apenas a direção do clube que não se distancia do que está a ser investigado, mas ainda a fusão entre a massa alienada e a instituição e os seus dirigentes.

Nada interessa a não ser que, se hoje o “meu” clube está em investigação, outros já estiveram por piores situações, e a investigação em curso tem a ver com a luta contra o “meu” clube, a qual já passou para o próprio M.P. e sistema policial a quem se jura colaborar.

Há até quem considere que no atual “esgoto” para que as coisas fiquem equilibradas se deviam reabrir os processos da fruta e eventualmente outros, porque afirmam, alguns, até excelentes juristas, que as provas ilegais não o são.

É este o mundo em que vivemos.

De um lado a instituição dirigida por homens que se protegem, “protegendo” a instituição. E, do outro lado, a massa dos cegos, do conjunto dos esfomeados de glória do seu clube, nem que seja à custa das infiltrações nos meandros da justiça.

Chegados aqui pergunta-se: é a cegueira obrigatoriamente uma fase do desenvolvimento atual da Humanidade?

Anúncios

One thought on “Aos Amigos Benfiquistas -2ª Parte

  1. Vítor Silva Costa Atalaia

    É preocupante viver num país em que tanta coisa está profundamente errada mas onde nada muda; onde o futebol se mistura com política e, em vez de ser uma escola de virtudes, mais parece uma instituição de malfeitores; onde as ilegalidades são banalizadas e interpretadas como legais e onde o normal do dia a dia é o laxismo, o “deixa andar”…
    É um gosto ler Domingos Lopes pelo equilíbrio e assertividade dos seus artigos e seria excelente que todos os portugueses o lessem, meditando nas sábias palavras do autor.
    Certamente haveria uma mudança, ainda que lenta, na sociedade portuguesa que dela bem precisa…

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s