D.CLEMENTE E O SEXO DOS RECASADOS

 

 A Igreja nunca conviveu bem com o sexo, sempre o viu como algo de que se devia desconfiar.

Afinal porque Adão e Eva procriaram e constituíram o início do que viria a ser a nossa Humanidade, segundo a doutrina cristã.

A diabólica Eva atraiu Adão e levou-a à desobediência e, por tal pecado, pecou toda a Humanidade para toda a eternidade.

Lançados do paraíso para o vale de lágrimas, todas e todos os que vieram passariam a ser filhos do pecado, porque resultantes da cópula sexual; isto é, os que vieram, chegaram já “amaldiçoados” pelo ato responsável pela existência dos seres humanos. Somos assim, crentes e não crentes, segundo a Igreja, todos filhos de um ato pecaminoso.

Vale a pena ir ao tempo em que Cristo andou por este Médio-Oriente ocupado, na ocasião,  pelo império romano, e constatar que os primeiros cristãos e os discípulos eram casados e como tiveram filhos, copularam.

Só mais tarde é que a instituição inventou esta coisa dos padres não poderem casar e ter mulher, embora as tivessem, alguns às claras, outras às escondidas.

Agora, por obra do novo Papa, veio a Igreja abrir a porta fechada aos cidadãos que casados catolicamente se divorciassem e voltassem a casar ou a viver em união de facto, permitindo-lhes em certas circunstâncias, restritas, segundo D. Manuel Clemente, ter acesso aos sacramentos.

De que é que havia de lembrar D. Manuel Clemente? De que se tal sucedesse, se voltassem a recasar ou a viver em união de facto, se abstivessem de ter relações sexuais. Um casal que se ama, que se casa ou se junta para viver uma vida nova, com felicidade, onde o sexo é uma componente, entre muitas outras, é, à partida, para D. Manuel desaconselhável… Mas não será desaconselhável, nesses casos, colocar o acento tónico, na falta de ajuda, na necessidade de colocar a relação familiar em primeiro lugar?

A ideia de vir prevenir que os casais recasados não devam ter relações sexuais é próprio de alguém que está longe da essência da vida. Não está em condições de compreender que uma relação harmoniosa num casal torna-o mais forte, mais solidário, mais fraterno e tal relação passa também por uma vida sexual mutuamente consentida e desejada.

O sexo é tão importante que sem ele não haveria a tal criação humana de Deus, na ótica dos crentes, pois é condição para a reprodução, em geral.

Parece que o Deus da criação embirrou com os filhos da sua própria criação e que lhes deu sexo, não para o usarem, mas para os castigar e obrigá-los a pecar sempre que o usam para seu bem estar, fruindo-o. Por que razão o ser humano veio constituído com sexo para esta conceção?

A História  confirma que a Igreja viveu sempre sobressaltada por não saber encará-lo como uma realidade que pode ser altamente compensadora e fonte de equilíbrios. De tal forma que dentro da própria Igreja os que pregam a abstinência sucumbem, alguns do pior modo, criminalmente.

Ao que parece D. Manuel Clemente não está em condições de abandonar o tremendismo com que a Igreja aborda o sexo. É pena. O Papa abre e há quem feche.

domingos lopes

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s