IMG_0455.JPG

 

 

 

Não são conhecidas, mesmo a partir da base de dados dos frequentadores dos reallity shows das televisões existentes, muitas pessoas que assumam o dever de revelarem que amam à farta, se bem que utilizando o verbo haver para dar conta dessa nova medida do amor.

“Amo-te muito” é bastante diferente de “Amote há farta” pela simples razão da quantidade de amor que somos levados a pensar que deve possuir a (o) enfartada(o).

Quem não conheceu amig@s que viverem apaixonados, em sobressalto febril que a paixão lhes impunha? Mas duvido que conheçam semelhante fartote de amor como o anunciado.

A confissão de quem escreveu a frase na placa que anuncia a chegada ao município de Montemor-O-Novo está provavelmente ligada à hipótese de o destinatário ali passar amiúde e saber a quem fartou com tanto amor e portanto só aparentemente é anónima.

Amote sem tracinho é bem um sinal de fartança que existe( daí o há) no pequeno grande coração cheio de amor.

Há farta; não há míngua na alma de quem alardeia o seu fartote de afeto a quem passa e satisfeit@ dê conta que afinal não foi em vão que encheu o coração do outr@ com tal abundância.

Em Montemor-O-Novo não há só uma fartura de bifanas a competir com as das Vendas novas; também há amores tão fartos que se anunciam onde geograficamente começa o concelho.

Um conselho: amem à farta mesmo que exista um h a dar mais fartura ao amor.

domingos lopes

Anúncios

2 pensamentos sobre “

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s