SALVAR A VIDA AO POETA CONDENADO À MORTE

 

A condenação à morte do poeta saudita Ashraf Fayadh de origem palestiniana por alegadamente ter renunciado à fé islâmica coloca com toda a premência a seguinte questão: qual é a diferença da ditadura absolutista saudita e o Estado Islâmico?

A execução, se a opinião pública mundial não se erguer, será se ainda houver carrascos para lidar com o sabre a decapitação; tal e qual como se pratica no E.I.

A razão da condenação e da pena resida na invocação de insultos a deus, tal como fazem os islâmicos do E.I. na perseguição a todos os que não praticam a interpretação mais ortodoxa do sunismo.

O que leva a colocar a questão de saber quem imita quem. Parece que o E.I. imita bem a Arábia Saudita e como bom aprendiz ultrapassa em crueldade o professor.

Sem o apoio substancial da Arábia Saudita aos talibans e aos jiadistas do E.I. direta e indiretamente não era possível a estas organizações chegarem a este ponto.

A monarquia saudita é o maior inimigo do regime laico sírio e à luz desta condenação brutal compreende-se. Não quer nas suas fronteiras qualquer Estado que não se submeta às suas práticas absolutistas e brutais.

A invasão do Iemen, berço da civilização árabe, sob o silêncio cúmplice de todo o Ocidente, mostra bem a tremenda hipocrisia dos poderosos da Terra.

O Ocidente de braço dado com a monarquia brutal de Riad venda os olhos para não morrer de vergonha face aos crimes daquela realeza que governa como se o mundo tivesse parado no século quinze.

Obama, Hollande, Merkel, Cameron sempre atentos às violações dos direitos humanos quando vão ao beija mão real da família saud esquecem tudo e só têm em mente os chorudos negócios de armamento para o regime se aguentar e ceder as excedentárias aos irmão da causa: os jiadistas.

Pode haver uma coligação contra o E.I. com os apoiantes daquele auto intitulado Estado?

O Dr  Cavaco , o Dr Passos e o Dr Portas que tanto gostam de vender o que o país tem de melhor por aquelas paragens que dizem desta condenação? E o Senhor que faz de Ministro dos Estrangeiros?

É preciso arrancar o poeta às mãos da ditadura teocrática. Um homem tem o direito de professar ou não professar qualquer religião. A Arábia Saudita que faz parte da Comissão dos Direitos Humanos da ONU e reconhece este direito tem de ser obrigada a respeitá-lo.

A Humanidade tem de salvar a vida ao poeta Ashraf Fayadh. Se o regime tirânico obscurantista de Riad executar o poeta Ashraf deve ser considerado um Estado pária. Quem condena à morte um ser humano porque abandona ou não uma fé religiosa não é digno de fazer parte da comunidade internacional. Que se junte ao Daesh.

domingos lopes

 

Anúncios

One thought on “SALVAR A VIDA AO POETA CONDENADO À MORTE

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s