O MUNDO

Ucrânia

Na Ucrânia, ocidentalizada à força e apoiada com o fornecimento de armamento letal pelos EUA, OTAN e Cª, quando decorria um Conselho de Ministros foram algemados e vistos em direto pela televisão, que estava à espera na sala do Conselho, dois altos responsáveis dos serviços de segurança, por terem comprado equipamento à Rússia a preços mais elevados que os do mercado.

Como se sabe, embora tivesse um presidente eleito, tal como no Iemen, foi derrubado e há um novo governo.

É este novo governo que organiza uma cena, digna do Padrinho, como a que se passou na reunião do Conselho de Ministros.

Os polícias entram na sala do Conselho, dirigem-se aos fulanos que vão ser presos, puxam das algemas, colocam-nas e saem … sem palavras…faltaram as palmas.

Só se “sabe” pelas notícias que os alegados criminosos compraram ao inimigo equipamento, mas quando compraram? Antes ou depois do golpe? E os governantes souberam agora?

Do que não pode haver dúvidas é que os Conselhos de Ministros na Ucrânia também servem para algemar suspeitos da prática de compras produtos à Rússia mais caros que no mercado.

Imagine-se o que seria no Palácio de São Bento entrarem inspetores da PJ para prender ministros que permitem privatizações a preços muito mais baixos que os do mercado…

Ou ainda para constituir arguidos ministros que por serem imperfeitos apresentam no seu curriculum várias infrações, incluindo por esquecimento …

IEMEN

O Iemen teve o azar de ter sido plantado ao lado de um grande vizinho, onde reina um dos reinos mais obscurantistas do planeta. Vizinho de um conjunto de países onde Reis, Emires, Sultões e outros da mesma estirpe que, à custa do poder dos petrodólares, entendem que em todo o Golfo e na Península não deve mexer nada, nem um palha, tudo deve ser como era, e qualquer ideia ou ato que mexa no status quo deve ser abafado custe o que custar.

O Presidente Hadi, um sunita, chegou ao poder após uma rebelião contra o anterior.

Aliás no Iemen as rebeliões são quase permanentes, dada a base tribal em que assenta o país.

À grande Arábia Saudita só lhe interessa que o Iemen não saia da sua órbita; girar pode girar, mas qualquer giro, por exemplo, que dê aos chiitas algum poder não é tolerado pela monarquia da casa Saud, nem pelo seu aliado maior, os EUA.

E não foram precisas mais que vinte e quatro horas para que os aviões sauditas, cataris, omanitas e outros apoiados pelos EUA fossem bombardear Aden e outras cidades no sul do Iemen … É assim a lei dos sauditas e dos norte- americanos.

Quando os amigos estão em apuros podem organizar invasão de países estrangeiros à vontade, mesmo quando o problema é interno e deva ser resolvido pelo povo do país em causa.

Certamente que para a Arábia Saudita os chiitas são um perigo porque muito provavelmente a minoria chiita existente no reino, injustiçada pelo poder sunita, perseguida, não pode na região ter qualquer protagonismo que possa levar a mudanças no próprio reino e daí a invasão apoiada pelos dirigentes cristãos dos EUA.

Não há dúvidas que os namoros dos EUA com Israel (paixão) e a Arábia Saudita podem ter amuos, mas na hora da verdade, caem nos braços uns dos outros, apesar de Israel impedir a criação do Estado da Palestina e a Arábia Saudita se encontrar na baixa Idade Média no que toca a direitos humanos …

Saddam Hussein ou o coronel Cadafi eram perigosos reformadores se comparados com os dirigentes sauditas.

PORTUGAL

Afinal a lista existia. Era curtinha, mas existia… e quem lá estava: os três da vigairada, mais o Sr. Dr. Núncio.

Apesar disso o que Passos pretende fazer crer é algo de verdadeiramente notável: que ele, Primeiro-Ministro, não sabia que os responsáveis das Finanças, preocupados com o que se passava quanto à busca de dados da vida fiscal dele Primeiro-Ministro, decidissem para o proteger (sem o seu conhecimento) criar para ele, o seu vice e o representante do Governo em Belém, uma lista para dar sinal quando alguém quisesse aceder à vida fiscal deste triunvirato. Claro que para amenizar a “coisa” os funcionários meteram na lista o seu Secretário de Estado … E em vez do triunvirato temos uma lista como um retângulo, com quatro lados e quatro governantes.

E ninguém sabia de nada. Nem o Núncio, nem o Portas, nem o Coelho, nem o outro que devia estar onde sempre estava, a pensar em campanhas eleitorais.

Não havia lista, havia, mas não havia, havia mas ninguém sabia, havia mas os dirigentes da autoridade é que sabiam, mas finalmente havia e quem lá estava era o Primeiro, o vice, o de Belém e o Núncio … e nenhum destes sabia, graças ao zelo da Autoridade Tributária que escondeu este procedimento de toda a gente … francamente.

Com estes exemplos que país temos?  De infâmia!

domingos lopes

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s