Afinal o diabo veio

Afinal o Diabo veio. E tão dado a simbolismos chegou precisamente um dia depois do feriado que Passos/Portas/Cristas tinham cortado do calendário, o dia da implantação da República.
A conclusão não é nova, mas há coisas que valem sempre – não se deve anunciar o Diabo.
Os partidos da troica foram de novo a exame no passado dia 6 . Chumbaram com maior estrondo. Uma coisa era o peso e a chantagem brutal sobre os portugueses de que não havia alternativa à punição por terem vivido acima das possibilidades. Os chicotes feriam a Lusitânia e o povo baixou-se face à medonha realidade. Há quatro anos ergueram-se a custo. E levantados quiseram mostrar aos defensores do castigo do empobrecimento que não se esqueceram do mal que sofreram.
O problema não é Rio. É muito mais fundo. É não terem tido nada a propor a não ser casos de polícia. O seu programa verdadeiro é continuar a cortar e a empobrecer para uma minoria enriquecer à grande. E isso escondem.
O PS ganhou e cresceu bastante. É a primeira vez que o PS após estar no governo se reforça. Vai ter de negociar para governar. Se se quiser sentir como dono e senhor deste canto ibérico pode olhar para trás e ver o que lhe sucedeu após blocos centrais , limianos, absolutamente só com Sócrates…É tudo uma questão de aceitar constrangimentos ou querer governar à larga, como se não houvesse dia seguinte ao fim da governança. A tal estabilidade que é importante conquista-se ganhando maioria dos corações dos portugueses não só no dia das eleições, mas todos os dias para que as palavras batam com a prática.
O CDS da candidata a Primeiro-Ministro quase desaparecia. Assunção Cristas foi vítima de si própria e quis fazer dos portugueses estúpidos. Ela tinha sido um dos rostos da desgraça e falava como se o mal feito por ela e o seu partido fossem de outrem. Viveu de incêndios e de Tancos. E quando engoliu o disco de reduzir impostos todos se lembravam do governo que quase todos os dias aumentava impostos. O CDS tem muito que penar para voltara ser o que foi.
O BE mostrou que é possível fazer acordos e não sofrer o desgaste de ver o PS ganhar com acordos à esquerda. Não se reforçou, mas não perdeu deputados, mesmo nesse quadro em que o PS se reforça substancialmente. É um resultado que confirma que fazer acordos com o PS não implica perder inexoravelmente apoio eleitoral.
O PCP/CDU é vítima da sua atitude de se comportar como se fosse o único certo ao serviço de uma realidade que em boa medida inexiste na sociedade portuguesa, num mundo que a juventude não conhece e, por isso, a sua fraquíssima implantação nos jovens.
Não são explicações por parte do PCP a noticiar que para além das eleições a luta continua, pois continuará sempre com ou sem PCP. É preciso sublinhar que em certos distritos o peso eleitoral do partido é bem superior à sua força social, embora só tenha ganho em dois concelhos, Mora e Avis.
Sejamos claros – a situação não era fácil fosse para Jerónimo fosse para quem fosse Secretário-Geral, mas a sociedade que há para transformar é esta, com esta gente, estas televisões e estas mentes. O partido ou tem a humildade de aceitar a realidade e os grandes desafios reconhecendo nos militantes e simpatizantes a força maior para alterar o que não está bem incluindo no plano interno, abandonando a peregrina ideia de estar sempre certo, uma espécie de superioridade política dos dirigentes que nunca erram e que os leva a olhar para os outros como uma espécie de incapazes atrofiados.
O PAN ganhou. Vamos ver o que vai trazer de novo. A ideia de que não é de direita nem de esquerda pode parecer fofinha e nova, mas é velha e déjà vue. Vamos ver como se vai desenvencilhar com o Serviço Nacional de Saúde para animais. E o resto.
A entrada do Livre abre um novo espaço de esquerda no parlamento e pode ser mais um interlocutor que se afirme na sua identidade própria mostrando as suas diferenças das outras esquerdas.
As outras direitas que tiraram votos ao CDS e ao PSD vão querer ganhar mais votos ao CDS e ao PSD. Vão obrigar o PSD a mostrar se é tão de direita quanto tem sido ou se quer ganhar espaço no centro. O CDS que se cuide. Já tem dois partidos à perna e a morder os calcanhares. E se o PSD se recentra para onde vai o CDS?
A direita chamou muitas vezes o Diabo para tramar as esquerdas “geringonçadas” e afinal ele veio para tramar quem a chamou.
In Público online de 06/10/2010

Anúncios

Um pensamento sobre “Afinal o diabo veio

  1. Pingback: Clube de Jornalistas » Afinal o diabo veio (Domingos Lopes)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s