Wanted dead or alive

 

 

Trump, cumprindo o seu ritual, em modo boçal, como é normal, cheio de prosápia, anunciou ao mundo que os seus homens tinham assassinado o “cão” que morrera como um “covarde” algures na Síria. E disse que tinha seguido na sala oval a perseguição ao homem que se refugiara num túnel e se fizera explodir, pelos vistos impedindo que o matassem.

Um chefe militar e político que não se entrega e se suicida é para Trump um covarde, talvez por ter impedido que o comando o tivesse matado à queima-roupa, como foi feito a Bin Laden.

Abou Bakr Al-Baghdadi, autodenominado Califa, era o chefe do também autoproclamado Estado Islâmico, cujo eixo da sua ação era impor pela violência extrema e brutal o terror totalitário invocando princípios e procedimentos que desonram o Islão, interpretado e praticado pela imensa maioria em todo o mundo pelos muçulmanos.

Al-Baghdadi tinha as mãos cheias de sangue inocente e a sua organização alimentava-se da exaltação da violência cruel como forma de recrutar adolescentes e jovens marginais e marginalizados na Europa e um pouco por todo o mundo.

O Estado Islâmico através do terror tentava impor em zonas de guerra um outro paradigma bélico que ocupasse o espaço deixado por tantas feridas de guerra levada aos povos do Médio-Oriente.

O Estado Islâmico visou ocupar esses espaços deixados pela violenta guerra de agressão, à margem de todas as leis do direito internacional, contra o Iraque e o seu povo, dilacerando aquele país com centenas de milhares de mortos e com violência tão brutais como a que aconteceu no cerco a Faluja.

Foi George W. Bush e a sua camarilha, à qual se associaram Tony Blair, Aznar, Durão Barroso e Paulo Portas, um conjunto de refeces que enganaram o mundo, sem serem julgados até hoje, que fizeram o Médio Oriente regredir ao ponto em que hoje se encontra, sem deixar também de ter em conta o papel de ditadores sanguinários que no Iraque, na Síria, Tunísia, Egipto e Sudão ajudaram a criar o ambiente para o DAESH medrar.

O homem que se assemelha mais a um burgesso que a um Presidente do país mais poderoso do mundo fala como um sherife do Texas antigo a fim de cobrar os dividendos pela cabeça de Baghdadi; desta vez uma recompensa em votos e não em dólares…

É o mesmo homem que confunde o Colorado no centro dos EUA com a fronteira mexicana e que sonha com “muros magníficos” por onde não se possa passar “nem por cima, nem por baixo”…

Este é o homem que olha para o seu inimigo morto como um troféu que não pode exibir pelo facto de Baghdadi cuja índole é imoral e assassina, mas que teve a bravura de se suicidar com a detonação do colete de bombas para que muito provavelmente o seu corpo não pudesse ser exibido como presa morta.

Não se trata de elogiar um homem que semeou terror e morte; apenas referir que ao tratá-lo como covarde, como um cão, Trump se afirmou como pistoleiro, quando o mundo, nesta hora, precisava que fosse dado ao mundo muçulmano uma clara separação entre o terrorismo minoritário sunita e a proposta de cooperação e de paz que estabelecesse pontes com esse mesmo mundo.

Trump preferiu comportar-se como um pistoleiro que quer a recompensa pela cabeça do WANTED dead or alive.

A nobreza de caráter nunca teve lugar no seu coração, ali só há lugar para ele e o seu mundo de revanchismo, misoginia, racismo, suprema cismo e negocismo. Ei-lo magnífico, eles e todos os seus sonhos cheios de muros e cabeças de inimigos.

https://www.publico.pt/2019/10/30/mundo/opiniao/wanted-dead-or-alive-1891851

 

 

 

A sublime arte do flamengo de Dorantes

 

Vieram de um longe longínquo, da India, diz-se. Atravessaram caminhos e não caminhos até ao mar por onde já não passaram por serem caminhantes, muitos ainda o são.

São caminhos de vida e de vidas. Quantos dias, quantas noites, quantos desertos, quantos desfiladeiros? Quantas surpresas, quantas dores, quantos e amores e quantos desamores para chegarem se é que chegaram, pelo menos para muitos deles?

Este foi o rumo de um povo que se arruma nesta Europa que pensa em euros e pouco ou nada em almas.

É esta alma explosiva, melancólica, dorida, alegre, vibrante, sedutora, que Dorantes se inspirou para fazer do seu flamengo o cume mágico com um piano, um contrabaixo e uma bateria.

O piano de Dorantes é em linguagem kantiana a essência do sublime, a pureza da música, o deleite de sentimentos e sensações únicas que só a verdadeira arte proporciona.

E quando a elegante bailarina surge para fazer da música dança, para nos deixar como que baralhados de tanta harmonia, mesmo quando o tapeado nos leva ao ilimitado.

Ela logra a estilização do flamengo na linha do piano do mestre, envolvendo o espetador num ambiente denso de sentimentos arrebatadores e embaladores consoante a proposta que é feita.

Dorantes faz fruir o ritmo próprio do flamengo onde cabe o universo “gitano”, embora aberto a outras estéticas mais exigentes.

Neste Flamengo Atlântico que aconteceu na Aula Magna tudo casa na perfeição.

Para terminar Dorantes vai ao piano inventar o percurso do seu povo até à Andaluzia e solta em notas o martírio, o amor, a coragem, a raiva acompanhado pelo belo e doce sorriso da bailarina cuja dança se eleva na música do trio de músicos.

São momentos que transformam a nossa humanidade em algo mais profundamente humano que é o que a arte é capaz de fazer.

A minha A.R.C.A

 

O tempo mede-se no próprio tempo e todo o tempo traz dentro dele outro porque fora dele, para nós humanos, parece nada existir para além da pura abstração.

Nos anos sessenta Portugal fervilhava, sobretudo a juventude que tinha pela frente uma ditadura e uma guerra perdida e injusta a milhares de quilómetros.

As Universidades agitavam-se e o país apercebia-se que naquele tempo haveria outro em gestação.

Era também o tempo de juntar vontades e corporizar as energias em projetos que respondessem à ânsia de ser livre e capaz de, ao lado dos outros, erguer modos de dar à vida um novo sentido.

Sucedeu em Amorim, freguesia da Póvoa de Varzim, que jovens estudantes com outros jovens trabalhadores e um padre totalmente devotado à comunidade amorinense  se lançaram à obra de criar recreio e cultura.

Era o tempo em que o tempo dava para tudo; construir recintos para futebol e  cumprir o desígnio de ter um grupo de teatro que encenaria, entre outras obras, a Barca do Inferno do Mestre Gil Vicente.

O que marcava aquele período era o de uma irmandade em que cada um era protagonista e todos forjavam a obra.

Um tempo que de Norte a Sul do país era pontuado por estas destemidas vontades de rasgá-lo e construir outro que havia de nascer a madrugada pura de 25 de Abril de 1974.

Faz agora 50 anos que foi criada a Associação Recreativa e Cultural de Amorim (A.R.C.A.) que tinha nas suas folhas de sócios a esmagadora maioria dos jovens e a maioria da população.

Esta ARCA não era mais do que todas as milhares de ARCAS que se criaram no país. Mesmo nas noites mais escuras de solidão havia quem levantasse o recreio comunitário e a cultura sempre desafiante.

Esta ARCA é para mim, como o rio da aldeia do poema de Fernando Pessoa, a mais importante  porque é a da aldeia onde nasci.

Os tempos são outros, dirão. É verdade. Só que estes serão outros e os que virão outros serão.

E é no tempo presente que se constrói o tempo futuro. Os jovens da década de sessenta e setenta construíram o tempo da liberdade e da democracia.

O paradoxo estará em que com a liberdade implantada de lés a lés do país pareça que, neste tempo de solidão tecnológica, se esvaia a seiva criadora de construir espaços capazes de gerar recreio e cultura que a todos una na diversidade de vontades.

Não se trata de comparações com base em mérito ou demérito, mas tão só de ter em conta esse precioso fio do tempo que nos liga à comunidade. Somos também o que fomos. Seremos igualmente o que somos.

Neste tempo de exaltação das virtudes individualistas já se sente a amargura desse hedonismo social.

Não é contra o vizinho, nem encarando o companheiro da escola ou de profissão como alguém para atropelar para se ascender ao olimpo, que se construirá o tempo novo pela qual se anseia desde que os humanos se lembram.

Há 50 anos o tempo era outro, sendo o mesmo. Era outro porque nós éramos outros, sendo hoje também os mesmos, mas diferentes na nossa qualidade de humanos.

As tecnologias trouxeram-nos um fantástico mundo novo, mas nós somos seres sociais. Sem a sociabilidade não há humanos. A cultura, o recreio e o desporto são também a nossa humanidade mais humana. Como seremos nos próximos 50 anos? Como se organizarão os jovens para alcançarem uma vida que valha a pena? Acaso a tecnologia tornará todos seres solitários, acendendo e apagando, como semáforos humanos respondendo a estímulos de máquinas, mesmo que sejam inteligentes? Que nos reserva a arca do tempo?

In Público online 19/10/2019

Arriba España

 

 

Os colendos conselheiros do Supremo Tribunal de Justiça de Espanha devem ser pessoas que leem jornais e livros; veem televisão e estarão minimamente informados do que se passa no seu país onde há nacionalidades e línguas distintas do castelhano. E não será abusivo julgar que em relação ao mundo circundante terão certamente alguma ideia.

Saberão melhor que ninguém que para se ser juiz não basta conhecer de fio a pavio as leis; isso, aliás, para além dos juízes, muitos sabem.

Dizem os que sabem Direito e o relacionam com a Justiça que as leis nas mãos das mulheres e dos homens dão para quase tudo.

A arte de um juiz não deverá ser a de deixar-se cegar pela lei, antes tê-la em conta para a aplicar nas circunstância do tempo e o das condutas a apreciar.

No entanto há juízes e juízas que não obstante o que se sabe lembram os tempos que o nosso genial poeta António Gedeão retratou no julgamento de Galileu pelos excelsos juízes da Santíssima Inquisição. Eles, os juízes, é que sabiam. Sabiam tanto que nem sequer davam conta que eles e Galileu giravam, mais o rio Arne da muito bela Florença, em torno do quietíssimo Sol que ardia com arde hoje indiferente às veleidades humanas, incluindo a dos severíssimos conselheiros.

Os colendos juízes do excelso STJ de Espanha (ou espanhol?) condenaram a duríssimas penas ( Oriol Junqueras a 13 anos) os cidadãos dirigentes da Catalunha que defendem a independência da Catalunha por meios democráticos e pacíficos, bem sabendo e tendo a mais completa consciência que ao fazê-lo iriam desencadear na Catalunha e em todos os catalães(muitos que não defendem a independência) uma revolta porque a sua identidade foi( neste novo milénio de consagração dos direitos humanos e no limiar do fim das grilhetas que impedem a autodeterminação dos povos) ofendida dado o grau absurdo da desproporcionalidade das penas face às condutas dos dirigentes políticos catalães.

A ação dos nacionalistas catalães presos é do domínio da política; ninguém acreditará que os presos são criminosos de direito comum. São catalães que entenderam, naquelas circunstâncias de tempo e lugar, corresponder daquele modo à aspiração independentista dado que a maioria dos catalães se pronunciaram em eleições a favor da independência da Catalunha.

Ao criminalizar com estas severas penas os presos, o STJ bem sabe que incendiou os corações de todos os catalães. São catalães condenados em Madrid por quererem, em liberdade, em democracia e de modo pacífico, a sua autodeterminação.

Os juízes do STJ para além de condenarem os patriotas catalões deixaram gravado a letras de fogo esta ideia – ou aceitam Espanha ou vão para a cadeia, caso não aceitem. Se pudessem talvez escrevessem no douto Acórdão que a Catalunha seria para sempre espanhola.

Chegados aqui, o fim da estrada parece estar percorrido – os catalães que não queriam a independência deixaram de ter essa opção.

Será por cegueira, por despotismo, ou por consciência de que se não houver esta brutal repressão a Espanha não se consolida como Estado de várias nações? Acaso alguém acreditará que neste tempo um povo tão cheio de História se deixará vergar porque o coletivo de juízes do STJ que entende que  a aspiração à autodeterminação dos catalães é crime que merece duras penas? Registe-se a correria do governo do PSOE a proclamar que as penas são para cumprir. Arriba España!

O garrote de Franco no s últimos estertor ainda matou anarquistas, mas o franquismo finou, mesmo que às vezes pareça que perdura.

In Público

Abandono do leninismo?

 

 

Em matéria de perceção de aceleração o tempo em que vivemos, a leitura de duas obras (“O esquerdismo doença infantil do comunismo” e “O radicalismo pequeno-burguês de fachada socialista”, de Lenine e Cunhal respetivamente) que há quarenta e muitos anos os marxistas leram sofregamente, fica-se com a dimensão dessa aceleração.

O interessante é que há cinquenta anos quem lia o livro de Lenine não sentia essa tremenda diferenciação entre o movimento operário de então e o do início do século passado. Como mudaram as circunstâncias…

Mesmo em relação a toda esta problemática, no fim dos anos sessenta, tratada por Álvaro Cunhal, voltando ao livro, parece que mergulhamos em algo que a sociedade já não reconhece.

Tudo isto vem a propósito da velha e estafada discussão no movimento revolucionário e progressista sobre os compromissos.

A resposta de Lenine independentemente de se perfilhar ou não o leninismo é clara …”A história do bolchevismo antes e depois da revolução de outubro está cheia de exemplos de acordos, de conciliações e de compromissos com os outros partidos, sem excetuar os partidos burgueses”… Pag.94 Edições Avante.

Álvaro Cunhal escreveu …”cada etapa tem fases diversas, que não podem estabelecer-se segundo esquemas, que apresentam sempre novidades e imprevistos, um processo complexo e irregular, mas exigem que se defina o alvo do golpe principal”… Pag.63 Edições Avante.

Esta constatação e muitos outros dados explicam a razão que levou a que o PCP tivesse estado nos governos provisórios com Sá Carneiro e Mário Soares e tivesse aconselhado a votar em Mário Sores para derrotar Freitas do Amaral.

A fase da luta, dentro das orientações saídas dos últimos Congressos do PCP, é

por uma democracia avançada que se insere na estratégia mais geral da luta pelo socialismo.

O alvo principal é o grande capital, a burguesia parasitária nativa, e em boa medida a direita, independentemente das suas contradições que é preciso explorar… voltando a Lenine ( é obrigação dos leninistas conhecerem Lenine) “.… só se pode triunfar sobre um adversário mais poderoso à custa de uma extrema tensão de força e com a condição obrigatória de tirar partido, com a maior atenção, minúcia, prudência e inteligência, dos menores “desentendimentos” entre os inimigos, dos menores oposições de interesses entre burgueses de diversos países, entre os diferentes grupos ou categorias da burguesia no interior do país e também das possibilidades de se assegurar um aliado numericamente forte, ainda que seja temporário, hesitante, condicional, pouco sólido e pouco seguro…Pag.95.

Assim o eixo principal da ação política é contra todos os que pretendem impor empobrecimento ao país e a todos os que vivem do trabalho.

São aliados todos os que, pelas mais diferentes razões, não estão interessados no empobrecimento e na austeridade que permita ao grande patronato e ao sistema financeiro / banca esmifrar o povo português através da chamada competitividade, ou seja, no apagamento dos direitos laborais, sociais, culturais e ambientais.

Nestas circunstâncias cabe perguntar –  é ou não possível fazer propostas que “obriguem” o PS a sair da sua tendência claudicante e conquistar novos, mesmo que pequenos avanços, na reconquista de direitos que a troica e a direita roubaram?

É ou possível no domínio do SNS propôs medidas que impeçam a sua destruição ou a degradação dos mesmos?

É ou não possível em relação à Escola Pública pequenos avanços que façam todos readquirir maior confiança no sistema educativo?

No domínio da Segurança Social é ou não possível avançar com aumentos por mais pequenos que sejam, mas que se vejam, em relação às pensões mais degradados?

No que se refere à Função Pública é ou não possível negociar acordos de aumentos salariais?

É ou não possível encontrar medidas para minorar a desgraça em que se encontra o interior do país?

É ou não possível encontrar meios de tornar a Justiça mais acessível e menos morosa?

Se não são possíveis avanços nada de compromissos. Se são possíveis, há que avançar. Embora o tempo e as circunstâncias das lutas se tenham alterado por referência àquelas obras, aqueles princípios acima referidos permanecem válidos, mesmo para quem nunca é capaz de reconhecer erros próprios não deve deixar de ter em conta o que os seus mestres ensinaram.

In Público online

 

 

As mamas da Cristina

a20191008_091241.jpg

 

Como se pode ler a nossa mais famosa personagem – a que recebe telefonemas em direto de Sua Excelência o Senhor Presidente da República, o mais alto magistrado da nação – o Senhor Professor Marcelo Rebelo de Sousa – descobriu, agora já bem adulta, que as mamas crescem com a idade…o que é absolutamente notável, e como é evidente notícia de primeira página, assegurando assim destaque para a atribuição no próximo ano do Nobel da Física ou daqui a alguns anos quando ela descobrir um certo descaimento eventualmente proporcional ao crescimento das respetivas.

A proeza desta descoberta está a preocupar largos setores da comunidade científica que sem qualquer explicação tinham passado ao lado do achado.

Há quem pense que com a idade cresce a ponderação e um certo grau de maturidade, aliás, diga-se em abono da verdade, que este sentimento é maioritário; porém o abalo desta verdade resultante da experiência da vida está a a sacudir as mentes mais brilhantes dado que por distração jamais lhes passara pela cabeça que também as mamas cresciam com a idade, pensando erradamente (pelos vistos) que as mesmas ficavam sempre  estaticamente e esteticamente iguais.

Há coisas extraordinárias como o ovo de Colombo e esta descoberta de Cristina.

Bem haja o Correio da Manhã e a Cristina por nos trazerem de mão beijada tão elevado achado.