Maiorias absolutas? Ponham os olhos nas maldades históricas e nos “frugais”

Os dirigentes políticos têm a tendência de considerarem o momento político como sendo decisivo e as eleições as mais importantes. As próximas são importantes pela simples razão de que delas sairá o parlamento que escolherá o governo.

Tendo em conta a anunciada gula de encher o pote com a maioria absoluta, importa ter presente alguns ensinamentos da nossa História recente.

Comecemos pelas maiorias absolutas de Cavaco Silva. O homem governou como o Rei D. Diniz – fez o que quis. Destruiu setores produtivos (marinha mercante, pesca, indústria e agricultura) em troca de uns subsídios do género de trocar um porco por três ou quatro chouriços.

 No seu reinado ocorreu uma caterva de crimes cometidos por desvio de subsídios e as conhecidas manigâncias do setor bancário e financeiro encostado a um poder quase absoluto. A marca de Cavaco ficou ligada aos tipos de jipes dos jovens agricultores dos passeios de Lisboa. Lisboa parecia o Paris/Dacar. Era a agricultura do capitalismo popular.

 E convém ter presente todos os ministros ligados ao BPN, o glamoroso banco da elite do PSD.

A maioria absoluta de José Sócrates deu autoestradas e mais autoestradas e um número bastante significativo de acusações da prática de crimes gravíssimos em apreço nos tribunais ou à espera de prescrição. O PS atolou-se de tanto poder ter abocanhado.

É preciso lembrara que o PS sozinho, à solta com uma maioria absoluta, é um perigo, até para si próprio. Não se trata de qualquer sectarismo.  A experiência portuguesa mostra que quanto maior é a maioria do PS mais débil é a governação do PS e os factos não desmentem desde o Acordo do queijo Limiano de Guterres, passando por Sócrates.

Imagine-se o que aconteceria à gestão dos fundos da bazuca com uma maioria absoluta do PS; Costa, mesmo sem a tal maioria, correu o país a criar a ideia de que a bazuca era do e para o PS. E o PSD não tem estaleca para dar lições.

Há depois algo de irracional no modo como Costa, um político inteligente e experiente, coloca de modo tão infantil o suposto dilema entre ele e Rio. E porquê? Porque Costa dentro desta lógica ilógica perdeu as eleições em 2015 e apesar disso foi nomeado Primeiro-Ministro; ganhou as Regionais dos Açores e perdeu o governo Regional, exatamente porque as maiorias se formam nos parlamentos. Porquê esta manipulação? Para justificar posteriores acordos à sua direita?

A maioria absoluta traz poder quase absoluto e dá a quem a tem a falsa ilusão de que pode fazer o que quiser, desprezando os diversos interesses representados no parlamento, dado ter uma espécie de fiéis que votarão o que a direção lhes encomendar; longe vão os tempos das rebeliões dos deputados.

A maioria absoluta despreza os restantes partidos, corrompe, fecha o partido em si próprio e na luta por distribuição de lugares e cargos. Encerra a política nos interesses do partido maioritário. Esta realidade não traz estabilidade, faz sangrar a seiva democrática pela sufocação do controlo da vida política pela maioria absoluta.

As maiorias que os partidos formam no parlamento dão força à política no seu sentido mais nobre, o de encontrar com outros os superiores interesses da população e do país. Impede a crescente descrença nas instituições porque um parlamento que se transforma numa caixa de eco do governo é pobre e deixa na população a ideia de que os deputados não servem para nada e, por outro lado, alimenta a extrema-direita que medra neste pântano de desesperança.

A política tem de ser entendida como atividade nobre e digna que exige compromissos e elevação no respeito pela defesa dos interesses populares, a partir das maiorias que se formarem no parlamento.

Além do mais, com tantos europeístas e admiradores da Alemanha, seria bom ter presente que naquele país foram precisos três meses para se formar uma coligação; ao lado, nos frugais Países Baixos (pouco frugal esta designação) foram precisos nove meses para formar um governo de coligação e nos países escandinavos governam coligações de vários partidos. Então? Ponham os olhos nos frugais. E nas maldades históricas das maiorias absolutas.

https://www.publico.pt/2021/12/30/opiniao/opiniao/maioria-absoluta-ponham-olhos-maldades-historicas-frugais-1990198

2 pensamentos sobre “ Maiorias absolutas? Ponham os olhos nas maldades históricas e nos “frugais”

  1. Luciano Caetano da Rosa

    A maioria absoluta só pode ser reivindicada por quem tem mais olhos do que barriga. A realeza do “ancien régime” cria e queria que o seu absolutismo fosse outorgado e apoiado por direito divino. … rex deo gratia…Essa gente é uma espécie que está praticamente extinta. Políticos actuais com maiorias absolutas, se não forem irresponsáveis, correm o risco de assim se tornarem, com tanto poder nas mãos e com clientelas sôfregas e numerosas na fila dos “tachos”. Temos exemplos bem loquazes no cavaquismo, no socratismo… et j’en passe…

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s